Parques lineares em São Paulo: expressões de injustiça ambiental e de gentrificação ecológica

Silvia Helena Zanirato, Guilherme Dias Pereira, Ludmilla Francisca Duarte

Resumo


R E S U M O

 

O texto tem como objetivo analisar processos de criação de parques lineares no município de São Paulo, Brasil, no início da década de 2000, que visaram a requalificar áreas ambientalmente degradadas. Para tanto, se volta para o Parque Linear do Sapé, na zona Oeste, e o Parque Linear do Canivete - Jardim Damasceno, na zona Norte do município. A análise se valeu primeiramente da literatura sobre o tema, seguida da interpretação de documentos legais emitidos pelos órgãos governamentais estadual e municipal, bem como de análise de fotografias de antes e depois da criação dos referidos Parques. O conjunto documental analisado permitiu afirmar que ambas as experiências configuram o que a literatura denomina gentrificação ecológica e injustiça ambiental.

 

Palavras-Chaves: Parques Lineares, São Paulo, Injustiça Ambiental, Gentrificação Ecológica.

 

Linear parks in São Paulo (Brazil): expressions of environmental injustice and ecological gentrification

 

A B S T R A C T

 

The text aims to analyze the creation process of two linear parks in the city of São Paulo, Brazil, at the early 2000s, which had aimed to requalify environmentally degraded areas. For that, it turns to the Parque Linear do Sapé, in the West zone, and the Parque Linear do Canivete - Jardim Damasceno, in the North zone of the municipality. The analysis was based primarily on the literature on the subject, followed by the interpretation of legal documents issued by state and municipal government agencies, as well as an analysis of photographs from before and after the creation of these Parks. The set of documents analyzed allowed us to affirm that both experiences configure what the literature calls ecological gentrification and environmental injustice.

 

Keywords: Linear Parks; São Paulo; Environmental Injustice; Ecological Gentrification.


Palavras-chave


Parques Lineares; São Paulo; Injustiça Ambiental; Gentrificação Ecológica.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


ABIKO, A. K. (2003). Quanto custaria para urbanizar uma favela no Brasil. In ABRAMO, P. (org.). A cidade da informalidade. Rio de Janeiro: Livraria Sette Letras/FAPERJ, 225-236.

AGYEMAN, J., & Evans, B. (2004). Just sustainability: the emerging discourse of environmental justice in Britain? The Geographical Journal, 170(2), 155-164. [doi:10.1111/j.0016-7398.2004.00117.x]

AGYEMAN, J., Bullard, R. D., & Evans, B. (2002) Exploring the Nexus: Bringing Together Sustainability, Environmental Justice and Equity. Space and Polity, 6(1), 77-90.

ALVES, H., & Torres, H. (2006). Vulnerabilidade socioambiental na cidade de São Paulo: uma análise de famílias e domicílios em situação de pobreza e risco ambiental. São Paulo em Perspectiva, 20(1), 44-60.

ANGILELI. C. M. (2012). Chão. Tese de Doutorado, Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

ANGUELOVSKI, I. (2015). From toxic sites to parks as (green) LULUs? New challenges of inequity, privilege, gentrification, and exclusion for urban environmental justice. Journal of Planning Literature, 31(1), 23-36.

ANGUELOVSKI, I., Connolly, J. J. T, Masip, L., & Pearsall, H. (2018) Assessing green gentrification in historically disenfranchised neighborhoods: a longitudinal and spatial analysis of Barcelona. Urban Geography, 39(3), 458-491.

ANGUELOVSKI, I., Irazábal‐Zurita, C., & Connolly, J. J.T. (2019). Grabbed Urban Landscapes: Socio‐spatial Tensions in Green Infrastructure Planning in Medellín. International Journal of Urban and Regional Research, 43(1), 133-156.

BARDIN, L. (2009). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

BASE Urbana, Disponível em https://baseurbana.arq.br/portfolio/favela-do-sape-reurbanizacao/, acesso em 21/10/2021.

BONDUKI, N. (2012). Sustentabilidade e reforma urbana na Rio+20. Agência Carta Maior. Disponível em: . Acesso em: 23/02/2021.

CAMPBELL, S. D. (2013). Sustainable Development and Social Justice: Conflicting Urgencies and the Search for Common Ground in Urban and Regional Planning. Michigan Journal of Sustainability, 1, 75-93.

CAZZUNI, D. H., Aidar, F. M., & Machado, H. A. (2017). Gestão de parques lineares em periferia na cidade de São Paulo: o caso do Parque Linear do Canivete. Dissertação (MPGPP) - Escola de Administração de Empresas, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, SP, Brasil.

COLE, H., Garcia L. M., Connolly, J., & Anguelovski, I. (2017). Are green cities healthy and equitable? Unpacking the Relationship between health, green space and gentrification. Journal of Epidemiology and Community Health, 71(11), 1118-1121.

DOOLING, S. (2009). Ecological gentrification: A research agenda exploring justice in the city. International Journal of Urban and Regional Research, 33(3), 621-639.

FERREIRA, J. S. W. (2010). Cidades para poucos ou para todos? Impasses da democratização das cidades no Brasil e os riscos de um “urbanismo às avessas”. In: Oliveira, F. de, Braga, R., & Rizek, C. Hegemonia às avessas. São Paulo: Boitempo Editorial.

FRIEDRICH, D. (2007). O parque linear como instrumento de planejamento e gestão das áreas de fundo de vale urbanas. Dissertação de Mestrado. Planejamento Urbano e Regional, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Rio Grande do Sul, RS, Brasil. Disponível em: . Acesso em: 17/02/2021.

GARCÍA, R. & MOK, T. (2017). Whitewashing the Los Angeles River? Displacement and equitable greening. The City Project, Los Angeles, CA. Disponível em: . Acesso em: 17/02/2021.

GOULD, K. A., & LEWIS, T. L. (2012). The Environmental Injustice of Green Gentrification:The Case of Brooklyn's Prospect Park. In DeSena, J., & Shortell, T. (Eds.), The World in Brooklyn: Gentrification, Immigration, and Ethnic Politics in a Global City, 113-146. Lanham, MD: Lexington Books.

GOULD, K. A., & LEWIS, T. L. (2017). Green gentrification: Urban sustainability and the struggle for environmental justice. New York, NY: Routledge.

GROSBAUM, M. (2012). O Espaço Público no Processo de Urbanização de Favelas. Dissertação de mestrado, Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. Disponível em: . Acesso em: 17/02/2021.

HARVEY, D. (1996). Justice, nature and the geography of difference. Blackwell Publishing, Oxford.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2011). Estatísticas populacionais e socioeconômicas dos municípios. Brasil. Disponível em: . Acesso em: 28/02/2021.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2020). Cidades e Estado: São Paulo. Brasil. Disponível em: . Acesso em: 17/02/2021.

IMMERGLUCK, D., & Balan, T. (2017). Sustainable for whom? Green urban development, environmental gentrification, and the Atlanta Beltline. Urban Geography, 39(4), 546-562.

INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. (2011). Vulnerabilidade das Megacidades Brasileiras às Mudanças Climáticas. Região Metropolitana de São Paulo, Relatório Final, INPE/UNICAMP.

JIMÉNEZ, N. (2015). La gestión integral de residuos sólidos urbanos en México: entre la intención y la realidad. Letras Verdes, 17, 26-59.

LASCHEFSKI, K. (2013). 500 anos em busca da sustentabilidade urbana. Caderno Metrópoles, São Paulo, 15 (29), 143-169.

LEFEBVRE, H. (1991). The production of space. Blackwell: Oxford.

LEFEBVRE, H. (2008) Espaço e política. Belo Horizonte: Editora UFMG.

LEFEBVRE, H. (2010) O Direito à Cidade (5a ed). São Paulo: Editora Centauro.

MARICATO, E. (1996). Metrópole na periferia do capitalismo: ilegalidade desigualdade e violência. São Paulo: Hucitec.

MISTURA, R. B. (2019). Urbanização de assentamentos precários junto a corpos d’água: ações em áreas de preservação permanente no município de São Paulo. Dissertação de Mestrado em urbanismo, PUC, Campinas, SP, Brasil.

PARRA, G. (2017). O parque linear do Sapé no contexto das políticas ambientais do município de São Paulo. TGI, Depto Geografia, USP. Disponível em: http://www.tcc.sc.usp.br/tce/disponiveis/8/8021104/tce-22102018-203658/?〈=br Acesso em: 12/02/2021.

PEARSALL, H. (2010). From brown to green? Assessing social vulnerability to environmental gentrification in New York City. Environment and Planning C: Government & Policy. 28(5), 872. DOI: 10.1068/c08126.

PEARSALL, H., Pierce, J., & Krueger, R. (2012) Whither Rio+ 20?: demanding a politics and practice of socially just sustainability. Local Environment, 17(9), 935-941. DOI: 10.1080/13549839.2012.724899.

QMAPS - Quebrada Maps (2017). Disponível em: . Acesso em 28/02/2021.

RIGOLON, A., & Németh, J. (2018). “We're not in the business of housing:” Environmental gentrification and the nonprofitization of green infrastructure projects. Cities, 81, 71–80.

RIO Pequeno blogspot. https://rio-pequeno-sp.blogspot.com/2013/04/comunidade-da-favela-do-sape.html, acesso em 21 de outubro de 2021.

SANDEVILLE, E., & Angileli, C. M. (2013). Quando a casa vira parque. Anais da XV ENAMPUR. Disponível em: . Acesso em: 11/02/2021.

SANTOS, F. P. dos. (2019). A dimensão física e a precariedade habitacional em urbanização de favelas: análise do tratamento da precariedade da moradia autoconstruída em intervenções do PACUAP no município de São Paulo. Dissertação de mestrado em Planejamento e Gestão do Território, Universidade Federal do ABC, São Bernardo do Campo, SP, Brasil.

SANTOS, M. (1994). Técnica espaço tempo: globalização e meio técnico-científico-informacional. São Paulo: Hucitec.

SÃO PAULO (2002a). Atlas Ambiental do município de São Paulo. SVMA, 266p.

SÃO PAULO (Município). (2002b) Plano Diretor Estratégico, lei nº 13.430, de 13 de setembro de 2002, revoga a lei nº 10.676/88 e dispositivos das leis nº s 13.260/01, 8.881/79, 9.049/80, 9.411/81. Disponível em: . Acesso em 17/02/2021.

SÃO PAULO (Município) (2007). Para combater enchentes, SP vai ganhar 11 parques lineares. Disponível em https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/subprefeituras/noticias/?p=3967. Acesso em 13 de outubro de 2021.

SÃO PAULO (Município) (2008). Decreto no 49.607, de 13 de Junho de 2008. Cria e denomina o Parque Linear do Canivete. Disponível em: . Acesso em: 17/02/2021.

SÃO PAULO (Município). (2014). Plano Diretor Estratégico, lei nº 16.050, de 31 de julho de 2014, aprova a Política de Desenvolvimento Urbano e o Plano Diretor Estratégico do município de São Paulo e revoga a lei nº 13.430/2002. Disponível em: . Acesso em: 17/02/2021. 2014.

SÃO PAULO (Município). Caderno Canivete. Divisão Técnica de Projetos Urbanos - DPU-CPA-SVMA, 2020.

SARAIVA, M. da G. A. N. (1999). O Rio como paisagem: gestão de corredores fluviais no quadro do ordenamento do território. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

SEHAB - Secretaria Municipal de Habitação e Desenvolvimento Urbano (2013). Habisp. Disponível em: Acesso em: 17/02/2021.

SMITH, G. Duda, S., Lee, J. M., & Thompson, M. (2016). Measuring the impact of the 606: Understanding how a large public investment impacted the surrounding housing market Institute for Housing Studies at DePaul University. Chicago, IL. Report. Disponível em: Acesso em: 11/02/2021.

SUZUMURA, G. Y. R. (2012). Parque linear do Canivete sob uma perspectiva do desenho ambiental. Revista LABVERDE, 4, 108-128. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2179-2275.v0i4p108-128.

SVMA - Secretaria do Verde e do Meio Ambiente (2017). Áreas verdes públicas por habitante. São Paulo, SP. Disponível em: . Acesso em: 18/02/2021.

SVMA - Secretaria do Verde e do Meio Ambiente (2021b). Parques Lineares. São Paulo, SP. Disponível em: . Acesso em: 17/02/2021.

VALDEZ, A. J. T. (2019). La planificación urbana de los espacios verdes en Barranco y la participación ciudadana en el contexto de justicia ambiental. Magíster en Desarrollo Ambiental. PUC, Peru.

VÁSQUEZ, A., Giannotti, E., Galdámez, E., Velásquez, P., & Devoto, C. (2019). Green Infrastructure Planning to Tackle Climate Change in Latin American Cities. In: Henríquez C. & Romero H. Urban Climates in Latin America. Springer, Cham. DOI: https://doi.org/10.1007/978-3-319-97013-4_13.

VILLAÇA, F. J. M. (2001). Espaço intra-urbano no Brasil. São Paulo: Studio Nobel/Fapesp/Lincoln Institute.

ZANOTTI, E. (2011). Critérios tecnológicos para melhorias no funcionamento e gestão de Parques Lineares: um estudo de caso do Parque Linear Córrego do Canivete na zona nordeste do Município de São Paulo. Dissertação de mestrado, IPT, São Paulo, SP, Brasil.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Silvia Helena Zanirato, Guilherme Dias Pereira, Ludmilla Francisca Duarte

Revista Brasileira de Meio Ambiente | ISSN: 2595-4431

CC-BY 4.0 Revista sob Licença Creative Commons
Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn