Composição espaço-sazonal de rotífera em uma tilapicultura no município de Glória (Bahia)

Patrick Gomes Avelino, Tâmara de Almeida e Silva, Taislaine Barros Rodrigues

Resumo


R E S U M O

O estudo verificou a variação espacial e sazonal da composição de rotífera em ambiente de tilapicultura no município de Glória no estado da Bahia. As amostragens foram realizadas nos meses de março, junho, agosto e outubro de 2019, em três estações específicas (E1, E2 e E3), com o auxílio de uma rede de plâncton de 64μm de abertura de malha. Todas as espécies foram identificadas com literatura específica e logo após foram realizados cálculos de quantificação. Foram identificados 27 táxons distribuídos em nove famílias, sendo as famílias Lecanidae e Brachionidae com mais representantes para composição dos organismos. A densidade apresentou os maiores picos para a estação próxima aos tanques-rede (E3) e o período seco registrou o maior valor de densidade, sendo a espécie Keratella americana o táxon que mais contribuiu com esse resultado, assim como na abundância, do qual somente a K. americana apresentou valores elevados.  Somente K. americana e Polyarthra sp. se mostraram muito frequentes, indicando nível trófico elevado para o ambiente, o mesmo ecossistema apresentou diversidade baixa para a assembleia de rotífera, porém se mostrou equitativo na maioria das estações. Assim, foi notado uma variação na composição de rotífera, como também o destaque para o táxon Keratella americana.

 

Palavras-Chaves: Biodiversidade; Piscicultura; Zooplâncton.

 

Spatio-seasonal composition of rotifer in a tilapiculture in the municipality of Glória (Bahia, Brazil)

 

A B S T R A C T

The study verified the spatial and seasonal variation of rotifer composition in a tilapiculture environment in the municipality of Glória, state of Bahia. Samplings were carried out in march, june, august and october 2019, in three specific stations (E1, E2 and E3), with the aid of a plankton net with a mesh size of 64μm. All species were identified with specific literature and soon after quantification calculations were performed. Twenty-seven taxa were identified, distributed in nine families, being the Lecanidae and Brachionidae families with more representatives for the composition of the organisms. Density had the highest peaks for the station close to the net tanks (E3) and the dry period recorded the highest density value, with the Keratella americana being the taxon that most contributed to this result, as well as in abundance, of which only K. americana presented high values. Only K. americana and Polyarthra sp. were very frequent, indicating a high trophic level for the environment, the same ecosystem showed low diversity for the rotifer assemblage, but it was equitable in most seasons. Thus, a variation in the composition of rotifer was noted, as well as the emphasis on the taxon Keratella americana.

 

Keywords: Biodiversity; Fish farm; Zooplankton.


Palavras-chave


Biodiversidade; Piscicultura; Zooplâncton.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Abra, J., Castilho-Noll, M. S. M., Stephan, L. R., & Henry, R. (2014). Estudo de longo prazo do zooplâncton em lagoas marginais ao rio Paranapanema. HENRY, R. Represa de Jurumirim: ecologia, modelagem e aspectos sociais. Ribeirão Preto: Holos.

Almeida, V. L. D. S., Larrazábal, M. E. L. D., Moura, A. D. N., & Melo Júnior, M. D. (2006). Rotifera das zonas limnética e litorânea do reservatório de Tapacurá, Pernambuco, Brasil. Iheringia. Série Zoologia, 96, 445-451.

Araújo, A. P., & Nogueira, E. M. S. (2016). Zooplâncton como bioindicador das águas do reservatório natural do povoado Olhos d’água do Souza, Glória, Bahia, Brasil. Revista Ouricuri, 6(2), 001-016.

Attayde, J. L., & Bozelli, R. L. (1998). Assessing the indicator properties of zooplankton assemblages to disturbance gradients by canonical correspondence analysis. Canadian Journal of Fisheries and Aquatic Sciences, 55(8), 1789-1797.

Bays, J. S., & Crisman, T. L. (1983). Zooplankton and trophic state relationships in Florida lakes. Canadian Journal of Fisheries and Aquatic Sciences, 40(10), 1813-1819.

Bessa, G. F., Vieira, L. C. G., Bini, L. M., Dos Reis, D. F., & De Morais, P. B. (2011). Concordance patterns in zooplankton assemblages in the UHE-Luís Eduardo Magalhães reservoir in the Mid-Tocantins river, Tocantins State, Brazil. Acta Scientiarum. Biological Sciences, 33(2), 179-184.

Bezerra, M. D. C., Sena, B. A., Martinelli-Filho, J. E., Nakayama, L., & Ohash, O. M. (2018). Composição e variabilidade da comunidade de rotifera em um reservatório tropical. Boletim do Instituto de Pesca, 41(3), 493-506.

Bezerra, M. F. D. C. (2015). Distribuição espacial e temporal da comunidade de Rotifera na Usina Hidrelétrica de Tucuruí-PA, Brasil. Tese de doutorado, Universidade Federal do Pará, Belém, Pará, Brasil.

Bomfim, F. F., Schwind, L. T. F., Bonecker, C. C., & Lansac-Tôha, F. A. (2015). Variação espacial de rotíferos planctônicos: diversidade e riqueza de espécies. Arquivos do MUDI, 19(1), 45-56.

Cardoso, A. R.., Santos, G. L. M., Corrêa, S. A., & Gimenez, E. A. (2016). LEVANTAMENTO DE ZOOPLÂNCTON EM PISCICULTURA DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SANTA FÉ DO SUL-SP. UNIFUNEC CIENTÍFICA MULTIDISCIPLINAR, 5(7), 49-61.

Cottenie, K., Michels, E., Nuytten, N., & De Meester, L. (2003). Zooplankton metacommunity structure: regional vs. local processes in highly interconnected ponds. Ecology, 84(4), 991-1000.

Do Nascimento, R. L., Da Silva, W. A., & Cavalcante, J. F. S. (2018, maio). DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS ROTIFERA EM UM LAGO NATURAL RASO DA REGIÃO DA MATA NORTE, PERNAMBUCO, BRASIL. Anais do Congresso Nacional de Biólogos, João Pessoa, PB, Brasil, 8.

Dos Santos, T. A. D. S. (2016). Rotifera como bioindicador da qualidade da água no reservatório da UHE pedra do cavalo, Bahia. Trabalho de conclusão de curso, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Cruz das Almas, Bahia, Brasil.

Eler, M. N., Pareschi, D. C., Espíndola, E. L. G., & Barbosa, D. S. (2003). Ocorrência de Rotifera e sua relação com o estado trófico da água em pesque-pague na bacia do rio Mogi-Guaçu–SP. Boletim Técnico do CEPTA, (16), 41-56.

Eskinazi-Sant'Anna, E. M., Menezes, R., Costa, I. S., Panosso, R. F., Araújo, M. F., & de Attayde, J. L. (2007). Composição da comunidade zooplanctônica em reservatórios eutróficos do semi-árido do Rio Grande do Norte. Oecologia Brasiliensis, 11(3), 410-421.

Esteves, F. A. (2011). Fundamentos de Limnologia (3ª edição). Rio de Janeiro, Interciência, 826p.

Gibson, G. R., & Bowman, M. L. (2000). Estuarine and coastal marine waters: bioassessment and biocriteria technical guidance. Washington, Office of Water. Environmental Protection Agency (EPA), 298p.

Hammer, Ø., Harper, D. A., & Ryan, P. D. (2001). PAST: Paleontological statistics software package for education and data analysis. Palaeontologia electronica, 4(1), 9.

Iglesias, C., Goyenola, G., Mazzeo, N., Meerhoff, M., Rodo, E., & Jeppesen, E. (2007). Horizontal dynamics of Zooplankton in subtropical Lake Bianca (Uruguay) hosting multiple Zooplankton predators and aquatic plant refuges. In Shallow Lakes in a Changing World (pp. 179-189). Springer, Dordrecht.

Kubitza, F., & CAMPOS, J. (2015). Aquicultura no Brasil: Conquistas e Desafios. Panorama da Aquicultura, 25(150), 11-13.

Lacroix, G., Boët, P., Garnier, J., Lescher‐Moutoué, F., Pourriot, R., & Testard, P. (1989). Factors Controlling the Planktonic Community in the Shallow‐Lake of Créteil, France. Internationale Revue der gesamten Hydrobiologie und Hydrographie, 74(4), 353-370.

Lansac-Tôha, F. A., Lima, A. F., Thomaz, S. M., & Roberto, M. C. (1992). Zooplâncton de uma planície de inundação do rio Paraná. I. Análise qualitativa e estrutura da comunidade. Revista Unimar, 14(sSupl).

Leite, A. A. C. (2018). VARIABILIDADE DA COMUNIDADE DE ROTIFERA EM UM TRECHO SOB INFLUÊNCIA DE UM RESERVATÓRIO NA BACIA TOCANTINS-ARAGUAIA. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Pará, Altamira, Pará, Brasil.

Lucinda, I. (2003). Composição de rotífera em corpos d'água da bacia do rio Tietê São Paulo, Brasil. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, São Paulo, Brasil.

Marcelino, S.C. (2007). Zooplâncton como bioindicadores do estado trófico na seleção de áreas aqüícolas para piscicultura em tanque-rede no reservatório da UHE Pedra no Rio de Contas, Jequié-BA. Dissertação de mestrado, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Morais, J. V. M., Pinheiro, S. C. C., Ahndrew, L. M. S., De Sousa, E. B., & Paes, E. T. (2020). Composição e densidade do zooplâncton no reservatório da usina hidrelétrica de Tucuruí (Pará, Brasil). Research, Society and Development, 9(12), 9.

Odum, W. E. (1988). Comparative ecology of tidal freshwater and salt marshes. Annual review of ecology and systematics, 19(1), 147-176.

Pedrozo, C. S. (2000). Avaliação da qualidade ambiental das lagoas da Planície Costeira do Rio Grande do Sul com ênfase na comunidade zooplanctônica. Tese de doutorado, Universidade Federal de São Carlos, São Paulo, Brasil.

Pielou, E. C. (1975). Species Abundance Patterns: Ecological Diversity. New York, Wiley-Interscience, 166 pp.

Pinto-Coelho, R. M. (2002). Fundamentos em ecologia. Porto Alegre, Artmed. 252p.

Ribeiro, M. R. F., Santos, J. P., Silva; E. M., Pereira-Júnior, E. A., Tenório, M. A. L. S., Silva, I. L. Lino., Wehbi, M. D., Lopes, J. P., & Tenório, R. A. (2015). A piscicultura nos reservatórios hidrelétricos do submédio e baixo São Francisco, região semiárida do Nordeste do Brasil. Acta of Fisheries and Aquatic Resources, 3(1), 91-108.

Rocha, O., Sendacz, S., & Matsumura-Tundisi, T. (1995). Composition, biomass and productivity of zooplankton in natural lakes and reservoirs of Brazil. Limnology in Brazil, 151-165.

Roche, K. F., & Silva, W. M. D. (2017). Checklist dos Rotifera (Animalia) do Estado de Mato Grosso do Sul, Brasil. Iheringia. Série Zoologia, (107), 1-10.

Santos, I. L. M., Melatti, E., Correia, E. S., Ferreira, D. A., & Silva, L. O. B. (2020). Viabilidade econômica do cultivo de tilápia (Oreochromis niloticus) em tanques-rede localizados no município de Glória–BA. Custos e Agronegocio, 16(1), 1-20.

Scheiner, S. M., & Willig, M. R. (2005). A general theory of ecology. Theoretical Ecology, (1), 21–28.

Silva, A. B. L. Caracterização da comunidade zooplanctônica e sua relação com a qualidade da água da estação de piscicultura da UHE-Pedra do Cavalo, Cachoeira, Bahia. (2019). Trabalho de conclusão de curso, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Cruz das Almas, Bahia, Brasil.

Silva, E. B., Keppeler, E. C., & Leite, H. M. F. (2017). Distribuição espacial da comunidade de rotíferos em tanques de piscicultura em Cruzeiro do Sul–Acre. Ambiência Guarapuava, 13 (2), 439 – 451.

Sládeček, V. (1983). Rotifers as indicators of water quality. Hydrobiologia, 100(1), 169-201.

Soares, F. S., Tundisi, J. G., & Matsumura-Tundisi, T. (2011). Checklist de Rotifera de água doce do Estado de São Paulo, Brasil. Biota Neotropica, (11), 515-539.

Tenório, R. A., Da Silva, E. M., & Campeche, D. F. B (2017). Aquicultura atual no semiárido: O polo de piscicultura do Submédio e Baixo São Francisco – SBSF. In: Campeche, D. F. B. (2ª Ed.). CADERNOS DO SEMIÁRIDO: RIQUEZAS E OPORTUNIDADES, (12), 23-34,

Tundisi, J. G.; Matsumura-Tundisi, T (2008). Limnologia (1ª ed). Oficina de Textos, São Paulo, 632 p.

Vieira, D. M., Crispim, M. C., & Watanabe, T. (2000). Impacto da cheia e da seca sobre a comunidade zooplanctônica do açude São José dos Cordeiros no semi-árido paraibano. Anais do V Simpósio de Ecossistemas Brasileiros: Conservação, 10, 401-407.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Patrick Gomes Avelino

Revista Brasileira de Meio Ambiente | ISSN: 2595-4431

CC-BY 4.0 Revista sob Licença Creative Commons
Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn