Diferentes relações C/N inicial para tratamento de lodo de curtume via compostagem.

Giovanni Terra Peixoto, Ana Beatriz de Melo Segatelli, Andressa Ferreira Pimenta, Luis Fernando Vanzella Mazzarin, Marcos Candido da Silva, Ramily Micheleti de Azevedo Oliveira Menenses, Roger Nabeyama Michels, Tatiane Cristina Dal Bosco

Resumo


O lodo da ribeira é um dos resíduos sólidos gerados nos curtumes e possui elevada carga orgânica, podendo causar impactos ao ambiente se disposto incorretamente. A compostagem pode ser utilizada para o tratamento deste resíduo. Recomenda-se, na literatura, que a relação C/N inicial do processo seja de 30:1. No entanto, esta relação pode ser inviável, visto que os resíduos considerados como fonte de nitrogênio são os maiores desafios das indústrias e gerados em maior quantidade. Objetivou-se avaliar a eficiência de duas relações C/N iniciais na compostagem do lodo de ribeira com poda de árvores e maravalha, na presença e na ausência da cinza de caldeira. Montou-se 16 leiras, com relação C/N inicial calculada de 16:1 e 12:1. Ao longo de 60 dias monitorou-se: pH, temperatura, condutividade elétrica, relação C/N, aspecto do material e redução de massa e volume. O pH de todos os compostos se apresentou alcalino. Apenas o T5 (lodo e poda, C/N 16:1) atingiu temperatura superior a 55ºC. Os tratamentos com poda de árvores foram mais eficientes quanto à redução da relação C/N, destacando-se T5 e T6 (lodo, poda e cinza, C/N 16:1) com 41,52 e 42,02% de redução, respectivamente. Todos os tratamentos sofreram redução de volume e massa, com destaque para T5 e T6. Houve maior descaracterização dos resíduos com poda de árvore em sua composição. Portanto, os compostos T5 e T6 se destacaram, evidenciando que a melhor relação C/N para iniciar o processo é 16:1, e a fonte de carbono é a poda de árvore.


Texto completo:

PDF (Português)

Referências


ABDURAHIMAN, B.; OTA, D. M.; MENESES, R. M. DE A. O.; DAL BOSCO, T. C.; MICHELS, R. N. (2020). Delay entre a máxima temperatura ambiente e a máxima temperatura em processo de compostagem de resíduos orgânicos. In: Congresso Nacional do Meio Ambiente, n.17, 2020, Poços de Caldas. Anais [...]. Poços de Caldas: IFSul, 2020

ALMEIDA, M. L.O.; VILHENA, A. (2000). Lixo municipal: Manual de gerenciamento integrado. 2 ed. IPT/CEMPRE, São Paulo. p. 370, 2000.

AMORIM, D. A; et al. (2011). O Processo de Desenvolvimento nas Indústrias de laticínios. Sistema de Ensino Presencial Conectado do Curso Gestão Ambiental, Universidade do Norte do Paraná, Espinosa. 2011.

APHA. AWWA, WEF. Standard methods for the examination of water and wastewater. 22 ed. Washington: American Public Health Association, 2012.

AQUINO NETO, V.; CAMARGO, O. A. (2000). Crescimento e acúmulo de crômio em alface cultivada em dois Latossolos tratados com CrCl3 e resíduo de curtume. Revista Brasileira de Ciências do Solo, v.24, n.1, p.225-235, 2000.

CARMO, D. L.; SILVA, C. A. (2012). Métodos de Quantificação de Carbono e Matéria Orgânica em Resíduos Orgânicos. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 36, p. 1211-1220, 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2021.

CARNEIRO, L. J. et al. (2011). Balanço de sais provenientes da aplicação de água residuária de suinocultura em quatro ciclos de cultura. Revista Meio Ambiente e Agronegócio. v. 4, n. 3, p. 481-499, 2011.

CONAMA – Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução n°481, de 03 de outubro de 2017. Critérios e procedimentos para garantir o controle e a qualidade ambiental do processo de compostagem de resíduos orgânicos, e dá outras providências. CONAMA, 2017.

DAL BOSCO, T.C et al. (2018). The ideal frequency of temperature data collection in compostability experiments on domestic organic residues. Environmental Technology, 2018.

FERNANDES, F.; SILVA, S. M. C. P. Manual prático para a compostagem de biossólidos. Rio de Janeiro: ABES, 1999.

GONÇALVES, I.C.R, et al. Biomassa microbiana do solo após dois anos de aplicação consecutivas de lodo de curtume compostado. Acta Scientiarum. 2014.

GONÇALVES, J. L. de M.; MORO, L.; Uso da “cinza” de biomassa florestal como fonte de nutrientes em povoamentos puros de Eucalyptus grandis. p. 28-37, 1995.

HASSEN, A. et al. Microbial characterization during composting of municipal solid waste. Bioresource Technology, Barking, v.80, p.217-25, 2001.

KARAK, T. et al. Co-composting of cow dung, municipal solid waste, roadside pond sediment and tannery sludge: role of human hair. 2017. Int. J. Environ. Sci. Technol.14: 577. 2017.

KIEHL, E. J. 500 perguntas e respostas. 1 ed. Piracicaba. Agronômica Ceres Ltda, 227p. 2008.

KIEHL, E.J. Fertilizantes orgânicos. Piracicaba, Editora Agronômica Ceres Ltda, 492p. 1985.

KIEHL. E.J. Manual da Compostagem: Maturação e Qualidade do Composto. 4ªed. Piracicaba. 173p. 2004.

MAPA – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº5, de 10 de março de 2016. Ficam estabelecidas as regras sobre definições, classificação, especificações e garantias, tolerâncias, registro, embalagem, rotulagem e propaganda dos remineralizadores e substratos para plantas, destinados à agricultura. Diário Oficial da União República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 10 mar. 2016.

MAPA – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº51, de 08 de julho de 2020. Aprova as normas sobre as especificações e as garantias, as tolerâncias, o registro, a embalagem e a rotulagem dos fertilizantes orgânicos simples, mistos, compostos, organominerais e biofertilizantes destinados à agricultura. Diário Oficial da União República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 08 jul. 2020.

MAPA – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº7, de 12 de abril de 2016. Refere-se às concentrações máximas admitidas para agentes fitotóxicos, patogênicos ao homem, animais e plantas, metais pesados tóxicos, pragas e ervas daninhas. Diário Oficial da União República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2 maio. 2016.

MAPA - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. “Manual de métodos analíticos oficiais para fertilizantes e corretivos”. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília-DF. 2017.

MARTINES, A. M.; ANDRADE, C. A.; CARDOSO, E. J. B. N. Mineralização do carbono orgânico em solos tratados com lodo de curtume. Pesquisa Agropecuária Brasileira. Brasília, v.41, n.7, p.1149-1155. 2006.

MARTINES, A. M. Impacto do lodo de curtume nos atributos biológicos e químicos do solo. Dissertação (Mestrado). Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. 62p. 2005.

MASSUKADO, L.M. Desenvolvimento do processo de compostagem em unidade descentralizada e proposta de software livre para o gerenciamento municipal dos resíduos sólidos domiciliares. Tese (Doutorado em

Ciências da Engenharia Ambiental). Universidade de São Paulo, São Carlos, 204 f.

MICHELS, R. N. et al. "Importância da automação e da estatística no processo de compostagem", p. 241 -254. In: DAL BOSCO, T. C. Compostagem e vermicompostagem de resíduos sólidos: resultados de pesquisas acadêmicas. São Paulo: Blucher, 2017.

MOURA, A. R. et al. Indústria de curtume. Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. 2014.

PACHECO, J. W. F. Curtumes: Série P+L. São Paulo: Cetesb, 2005.

PASSIANOTO, C. C.; RODRIGUES, C. G. Efeito de adição de lodo de curtume sobre as alterações químicas do solo, rendimento de matéria seca e absorção de nutrientes em soja. Revista Brasileira de Agrociência. Pelotas, v. 7, p. 189-191, 2001.

PARADELO, R. et al. Evolution of organic matter during the mesophilic composting of lignocellulosic winery wastes. Journal of Environmental Management, v. 116, p. 18-26, 2012.

PETRIC. I. et al. Influence of wheat straw addition on composting of poultry manure. Process Safety and Enviromental Protection, v.87, p.206-212, 2009.

POSSATO, E. L. et al. Chemical attributes of a cambisol and growth of eucalyptus seedling after the addition of tannery sludge containing chromium. Revista Árvore, 38(5), 847-856. 2014.

PRESUMIDO, P. H. et al. "Gerenciamento e tratamento de resíduos sólidos em aeroporto", p. 225 -240. In: DAL BOSCO, T. C. Compostagem e vermicompostagem de resíduos sólidos: resultados de pesquisas acadêmicas. São Paulo: Blucher, 2017.

SHUKLA, O. P. et al. Involvement and interaction of microbial communities in the transformation and stabilization of chromium during the composting of tannery effluent treated biomass of Vallisneria spiralis L. Bioresource Technology. Vol. 100, p. 2198-2203. 2009.

SINGH, N. B.; SINGH, R.; IMAM, M. M.; Waste water management in dairy industry: pollution abatement and preventive attitudes. International Journal of Science. v.3, n. 2, p. 672-683. 2014.

SILVA, L.N. Processo de compostagem com diferentes porcentagens de resíduos sólidos agroindustriais. Dissertação (mestrado. Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Cascavel. 59f. 2007.

SOUZA, L.A. et al. Análise dos principais parâmetros que influenciam a compostagem de resíduos sólidos urbanos. Revista Brasileira de Meio Ambiente, v.8, n.3. 194-212 (2020).

TAIATELE JUNIOR, I. et al. "Compostabilidade de embalagens biodegradáveis", p. 109 -134" In: DAL BOSCO, T.C. Compostagem e vermicompostagem de resíduos sólidos: resultados de pesquisas acadêmicas. São Paulo: Blucher, 2017.

TEDESCO, M.J. et al. Análise de solo, plantas e outros materiais, 2. ed. Porto Alegre, UFRGS, 174 p. 1995.

TEIXEIRA, K.R.G. et al. Efeito do lodo de curtume sobre a nodulação e a produção de matéria seca em caupi. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DO SOLO. Embrapa Solos. UEP-Recife. 2005.

TRAUTMANN, N.; OLYNCIW, E. Compost Microorganisms – The Phases of

Composting. In: Cornell Composting, Science & Engineering. 2005.

VALENTE, B. S. et al. Fatores que afetam o desenvolvimento da compostagem de residuos organicos. Archivos de Zootecnia. v.58. p.60-76, 2009.

VIG, A.P. et al. Vermicomposting of tannery sludge mixed with cattle dung into valuable manure using earthworm Eisenia fetida (Savigny). Bioresour Technol 7941–7945. 2011.

ZHANG, L.; SUN, X. Influence of bulking agents on physical, chemical, and microbiological properties during the two-stage composting of green waste. Waste Management, Amesterdã, n.48, p.115-126, 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Giovanni Terra Peixoto, Ana Beatriz de Melo Segatelli, Andressa Ferreira Pimenta, Luis Fernando Vanzella Mazzarin, Marcos Candido da Silva, Ramily Micheleti de Azevedo Oliveira Menenses, Roger Nabeyama Michels, Tatiane Cristina Dal Bosco

Revista Brasileira de Meio Ambiente | ISSN: 2595-4431

CC-BY 4.0 Revista sob Licença Creative Commons
Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn