Panorama sobre o uso de agrotóxicos no Brasil (2009-2019): Riscos, benefícios e alternativas

Luiz Augusto de Oliveira Ribeiro, Ivo Ferreira de Queiroz Junior, Marcos Paulo De Araújo, Lucas Tobias Rodrigues Maciel, Matheus Diniz Gonçalves Coêlho

Resumo


DOI

R E S U M O
Os agrotóxicos se tornaram parte integrante da prática da agricultura, contudo seus efeitos tóxicos causados na fauna, e, sobretudo em seres humanos, se tornaram alvo de grandes debates, principalmente no Brasil, onde nos últimos anos, políticas de flexibilização de novos registros se mostram cada vez mais presentes. No presente trabalho foi realizada uma revisão integrativa de dados obtidos através de sites governamentais e artigos publicados a partir do ano de 2010, salva a Legislação de 1989, bem como coleta em banco de dados dentro desse período histórico, sobre casos de intoxicação nacional, consumo de agrotóxicos dos países e registros de novos ativos. Os dados foram processados e avaliados estatisticamente buscando verificar a correlação entre a produção agrícola e o consumo de agrotóxicos, bem como verificar a influência dessa prática na ocorrência de casos e de óbitos por intoxicações, de forma a vislumbrar os impactos dessa prática e de prospectar a possibilidade do uso racional e da adesão a possíveis alternativas. Os dados foram reunidos e avaliados estatisticamente, permitindo-se observar uma forte correlação, estatisticamente significativa, entre a produção agrícola e o consumo de agrotóxicos, bem como uma influência no aumento de casos de intoxicação, trazendo à tona a importância do fomento à pesquisa voltada para práticas alternativas e para o uso racional de tais substâncias.
Palavras-Chaves: Agrotóxicos no Brasil; Impactos ambientais; Toxicidade dos agrotóxicos.


Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Amblymip® [bula]. - Engenheiro Coelho/SP: PROMIP MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS LTDA. Disponível:

Barros, C. S. G., Miranda, S. H. G., Ozaki, M., Alves, R. L. A., Adami, A. O., Nishikawa, M. E., Peres, F. C., Lima, F. F., Ribeiro, R. G. (2019). Mensuração econômica da incidência de pragas e doenças no brasil: uma aplicação para as culturas de soja, milho e algodão Parte 1. Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (CEPEA).

Braibante, M. E. F., Zappe, J. A. (2012). A química dos agrotóxicos. Quim. Nova. 34(1), 10-15.

Brasil. Anvisa. Monografia autorizada: A61 - Autographa californica multiple nucleopolyhedrovirus (AcMNPV). Disponível em: . Acesso em: nov 2021.

Brasil. Departamento De Fiscalização De Insumos Agrícolas. Ato nº 59, de 1º de dezembro de 2011. Diário Oficial da União nº 233, Brasília, DF, 6 de dez. de 2011. p. 6-8.

Brasil. (2009). Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Agricultura de precisão / Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo. – Brasília: Mapa/ACS. 31p.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. (2018). Intoxicações exógenas relacionadas ao trabalho no Brasil, 2007-2016. Boletim Epidemiológico. 49(50), 1-10.

Brasil. (1989). Presidência da República, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 7802 de 11 DE JULHO DE 1989. sobre a pesquisa, a experimentação, a produção, a embalagem e rotulagem, o transporte, o armazenamento, a comercialização, a propaganda comercial, a utilização, a importação, a exportação, o destino final dos resíduos e embalagens, o registro, a classificação, o controle, a inspeção e a fiscalização de agrotóxicos, seus componentes e afins, e dá outras providências. Brasília, DF. Disponível em: . Acesso em: maio 2021.

Carneiro, F. F. et al. (2015). Dossiê ABRASCO: um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde. - Rio de Janeiro: EPSJV; São Paulo: Expressão Popular. 624 p.

Castro, J. P. S., Benedicto, S. C., Sugahara, R. C., Filho, C. F. S. (2019). Alternativas sustentáveis ao uso intensivo de agrotóxicos na agricultura brasileira. Revista Grifos. 28(47). doi:10.22295/grifos.v28i47.4636

Costa, L. F., Pires, G. L. P. (2016). Análise histórica sobre a agricultura e o advento do uso de agrotóxicos no Brasil. Anais do Encontro Toledo de Iniciação Científica Prof. Dr. Sebastião Jorge Chammé; Centro Universitário Antônio Eufrásio de Toledo de Presidente Prudente. 12(12).

Costa, R. V., Cota, L. V., Casela, C. R., Silva, D. D., Parreira, D. F. (2010). Rotação de Cultivares como Uma Estratégia para o Manejo da Antracnose do Sorgo. Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/95975/1/circ-148.pdf.

Dutra, R. M. S., Souza, M. M. O. (2017). Impactos negativos do uso de agrotóxicos à saúde humana. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, 13(24), 127-140. doi: http://orcid.org/0000-0003-3952-535X.

Embrapa. Embrapa oferece conhecimentos para controle da lagarta-do-cartucho, 2018. Disponível em: . Acesso em: nov 2021.

Embrapa. (2016). Joaninha é indicada para controle biológico de praga. Disponível em: . Acesso em: 29 nov 2021.

Embrapa. Novas tecnologias reduzem uso de agrotóxicos. Disponível em: . Acesso em: dez 2021.

Filho, R. S., Cunha, J. P. A. R. (2015). Agricultura de precisão: particularidades de sua adoção no sudoeste do Goiás - Brasil. Journal of the Brazilian Association of Agricultural Engineering. Eng. Agríc., Jaboticabal. 35(4), 689-698. doi: 1590/1809-4430-Eng.Agric.v35n4p689-698/2015.

Fundação Oswaldo Cruz. (2018). Agrotóxicos e Saúde: Coleção Saúde, Ambiente e Sustentabilidade. 2nd ed. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz. 2(1), 120.

Jeong, Y. K. et al. (2001). Purification and biochemical characterization of a fibrinolytic enzyme from Bacillus subtilis BK-17. World Journal of Microbiology and Biotechnology. 17(1), 89-92. doi: 10.1023/A:1016685411809.

King, A. (2017). Technology: The Future of Agriculture. Nature. 544(1), 21-23. doi: 10.1038/544S21a>

Moraes, M. C. B. et al. (2009). Attraction of the stink bug egg parasitoid Telenomus podisito defence signals from soybean activated by treatment with cis-jasmone. Entomologia Experimentalis et Applicata. 131(2), 178-188. doi: 10.1111/j.1570.

Moreira, M. Número de agrotóxicos liberados no Brasil em 2019 é o maior dos últimos 14 anos. Folha de S. Paulo. Disponível em: . Acesso em: maio 2021.

Moura, M. S. B., Soares, J. M., Teixeira, A. H. C. Estações Agrometeorológicas. Embrapa. Disponível em: . Acesso em: nov. 2021.

Moura, R. M. (2018). Humanos versus natureza: a origem das questões fitossanitárias que levaram ao uso dos agrotóxicos. Anais da Academia Pernambucana de Ciência Agronômica. 15(2), 23-36.

Neto, P. T. C. (2017). Óbitos por intoxicação exógena no município de São Paulo, Brasil. Dissertação - Universidade de São Paulo, São Paulo. doi: 10.11606/D.6.2017.tde-10082017-172629.

Pelaez, V., Terra, F. H. B., Silva, L. R. (2010). A regulamentação dos agrotóxicos no Brasil: entre o poder de mercado e a defesa da saúde e do meio ambiente. Revista de Economia. 36(1), 37-48. doi: 10.5380/re.v36i1.20523.

Peres, J. F., Moreira, J. C., Luz, C. (2007). Os impactos dos agrotóxicos sobre a saúde e o ambiente. Ciência Saúde Coletiva. 12(1). doi: 10.1590/S1413-81232007000100001.

Porto, M. F., Soares, W. L. (2012). Modelo de desenvolvimento, agrotóxicos e saúde: um panorama da realidade agrícola brasileira e propostas para uma agenda de pesquisa inovadora. Rev. Bras. Saúde Ocup. 37(125). doi: 10.1590/S0303-76572012000100004.

Santana, V. S., Moura, M. C., Nogueira, F. F. (2013). Mortalidade por intoxicação ocupacional relacionada a agrotóxicos, 2000-2009, Brasil. Rev Saúde Pública. 47(3). doi: 10.1590/S0034-8910.2013047004306

Santos, A. C. et al. (2016). Principais Pragas da Cultura da Soja: identificação, caracterização e controle. Rev. Conexão Eletrônica. 13(1).

Serra, L. S. et al. (2016). Revolução Verde: reflexões acerca da questão dos agrotóxicos. Revista Científica do Centro de Estudos em Desenvolvimento Sustentável da UNDB. 1(4), 2-25.

United States Environmental Protection Agency. What are Biopesticides? Disponível em: . Acesso em: nov 2021.

World Health Organization. Pesticides. Disponível em em: . Acesso em: maio 2021.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Luiz Augusto de Oliveira Ribeiro, Ivo Ferreira de Queiroz Junior, Marcos Paulo De Araújo, Lucas Tobias Rodrigues Maciel, Matheus Diniz Gonçalves Coêlho

Revista Brasileira de Meio Ambiente | ISSN: 2595-4431

CC-BY 4.0 Revista sob Licença Creative Commons
Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn