Avaliação gravimétrica de resíduos sólidos orgânicos como ferramenta para tomada de decisões: estudo de caso em um restaurante acadêmico de uma instituição pública federal

Ciro Martins Ferreira, Antonia Gleicikele Alves, Fábia Albuquerque Portela, Letícia Lacerda Freire, Francisco Amílcar Moreira Junior

Resumo


DOI

A quantidade de resíduos produzidos em escala mundial aumentou consideravelmente nas últimas décadas, porém uma parcela poderia ter sido evitada nas fontes geradoras. Um problema muito recorrente que está associado à geração de resíduos é o desperdício de alimentos em unidades de alimentação e nutrição (UAN), entre as quais os restaurantes acadêmicos. A gravimetria pode ser uma ferramenta para a quantificação do desperdício. Desse modo, buscou-se utilizar a análise gravimétrica para o planejamento de ações de gestão visando a redução do desperdício. O presente estudo foi realizado no Restaurante Acadêmico (RA) de uma instituição federal de ensino superior (IES), localizado na cidade de Sobral, Ceará. A análise gravimétrica possibilitou identificar os dias em que houve maior desperdício (segundas e sextas-feiras). Os resultados deste estudo identificaram valores médios diários de resto-ingestão dentro do esperado pela literatura. No entanto, as médias de sobras sujas estiveram acima dos limites nos dois períodos avaliados na gravimetria, no almoço e jantar.  Tais resultados foram utilizados pela gestão da instituição para tomada de decisões visando diminuir o desperdício de alimentos.


Palavras-chave


Desperdício de alimentos, gravimetria, restaurante acadêmico.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2015). NBR ISO 14001: Sistemas de gestão ambiental - Requisitos com orientações para uso. Rio de Janeiro.

ABRELPE. Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (2018/2019). Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil. São Paulo. Disponível em: http://abrelpe.org.br/download-panorama-2018-2019/. Acesso em: 19/03/2023.

ABRELPE. Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (2022). Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil. São Paulo. Disponível em: http://abrelpe.org.br/download-panorama-2022/. Acesso em: 19/03/2023.

Albertoni, T. A. (2013) Caracterização física dos resíduos sólidos gerados em restaurante universitário. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, PR, Brasil

Barbosa, R. P., & Ibrahin, F. I. D. (2014). Resíduos sólidos: impactos, manejo e gestão ambiental. São Paulo: Érica, 1-176.

Bersan, J. L. M.; Kelmer, G. A. R. ; Almeida, J. R. (2022). Avaliação da qualidade nutricional de composto orgânico produzido com resíduos provenientes de composteiras domésticas. Revista Brasileira de Meio Ambiente, v. 10, n. 2.

Bozzini, A. C. et al. (2016). A educação ambiental como fator de conscientização para redução do desperdício de alimentos em um restaurante universitário. Saúde em Foco, n. 8..

BRASIL. (2022) Plano Nacional de Resíduos Sólidos 2022. Brasília, DF: MMA, 2022. Disponível em: Acesso em 19/02/2023.

BRASIL. Lei N° 12.305 de 02 de agosto de 2010 - Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). Diário Oficial da União, 02 de ago. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm. Acesso em: 30/03/2023.

Brito, A. M. S. et al. (2016). Avaliação do resto-ingesta de alimentos em uma unidade de alimentação e nutrição no município de Sobral, Ceará. Revista de Nutrição e Vigilância em Saúde, v. 3, n. 2, p. 76-80.

Busato, M. A.; Ferigollo, M. C. (2018). Desperdício de alimentos em unidades de alimentação e nutrição: uma revisão integrativa da literatura. Holos, v. 1. p. 91-102.

Canonico, F. S.; Pagamunici, L. M.; Ruiz, S. P. (2014). Avaliação de sobras e resto-ingesta de um restaurante popular do município de Maringá-PR. Uningá Review, v. 19, n. 2.

Costa, N. A. et al. (2017). Análise do custo do resto ingestão do restaurante universitário da Universidade Federal do Acre. South American Journal of Basic Education, Technical and Technological, v. 4, n. 1.

Food and Agriculture Organization et al. (2022). The State of Food Security and Nutrition in the World: 2022: Repurposing Food and Agricultural Policies to Make Healthy Diets More Affordable. Rome, Italy. Disponível em:< https://www.fao.org/documents/card/en/c/cc0639en>. Acesso em: 30/03/2023.

Hamish F., Tom Q., Clementine O’C. (2021). Índice de desperdício alimentar: relatório 2021. WRAP; ONU, 100p. Disponível em: https://www.unep.org/pt-br/resources/relatorios/indice-de-desperdicio-de-alimentos-2021. Acesso em: 30/03/2023.

Kaza, S., Yao, L., Bhada-Tata, P., & Van Woerden, F. (2018). What a waste 2.0: a global snapshot of solid waste management to 2050. Washington, World Bank Publications, p, 292.

Martins, R. F. Q. et al (2016). Resíduos Sólidos Estudo dos Resíduos Sólidos Gerados no Restaurante Universitário Da Ufmt–Campus Cuiabá. XIV ENNEAmb e Fórum Latino Americano de Engenharia e Sustentabilidade,Cuiabá, MT, Brasil, 7.

Peixoto, A. A., Fernandes, J. G. (2016, novembro). Utilização da Técnica de Compostagem: uma proposta para destinação final dos resíduos orgânicos gerados em um restaurante universitário. XIII SEGeT – Simpósio de Excelência e Tecnologia, Curitiba, PR, Brasil, 16.

Peixoto, K., Campos, V. B. G., & D’AGOSTO, M. D. A. (2005). A coleta seletiva e a redução dos resíduos sólidos. Rio de Janeiro: Instituto Militar de Engenharia.

Pereira, A. L. F. F.; Dos Santos, L. K. C.; De Mattos, A. C. R. M. (2020). Educação Ambiental como estratégia de redução do índice resto-ingesta no restaurante acadêmico de uma instituição federal de ensino no município de Sobral (CE). Revista Brasileira de Educação Ambiental (RevBEA), v. 15, n. 1, p. 310-327.

Peruchin, Bianca et al. (2013). Gestão de resíduos sólidos em restaurante escola. Revista tecnológica, v. 17, n. 1, p. 13-23.

Pistorello, J; Conto, S. M.; Zaro, M. (2015). Geração de resíduos sólidos em um restaurante de um Hotel da Serra Gaúcha, Rio Grande do Sul, Brasil. Engenharia Sanitária e Ambiental, v. 20, p. 337-346.

Rabelo, N. M. L.; Alves, T. C. U. (2016). Avaliação do percentual de resto-ingestão e sobra alimentar em uma unidade de alimentação e nutrição institucional. Revista Brasileira de Tecnologia Agroindustrial, v. 10, n. 1.

Reis, J. V. et al. (2022). Análise gravimétrica comparativa aplicada ao centro educacional espaço jurídico localizado em Recife (Pernambuco): Uma relação de custo/benefício. Revista Brasileira de Meio Ambiente, v. 10, n. 3.

Sanches, M. J. S. et al. (2016). Análise dos resíduos sólidos gerados no restaurante universitário do instituto de natureza e cultura da ufam. In: Anais do VII Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental. Manaus, AM, Brasil, 7.

Teixeira, S. M. F. et al. (1990). Administração aplicada às unidades de alimentação e nutrição. São Paulo: Atheneu, p. 219.

Vasconcelos, M. P. N. (2015). Avaliação do Resto-ingesta e Sobras de Alimentos em Uma Unidade de Alimentação e Nutrição de Uma Unidade Socioeducativa Localizada em Abreu e Lima Pernambuco. Monografia (Especialização em gestão de alimentos coletiva) Instituto Nacional de Ensino Superior e Pesquisa - Inesp Centro de Capacitação Educacional - Cce. Recife, Pernambuco, Brasil.

Vaz, C. S. (2006). Restaurantes: controlando custos e aumentando lucros. Brasília: LGE, p. 196.

Villan, K. M.; Alves, F. S. (2010). Desperdício de alimentos em uma Unidade de Alimentação e Nutrição: análise e propostas. Nutrição Brasil, v. 9, n. 5, p. 276-80.

Zaro, M. et al. (2018). Desperdício de alimentos: velhos hábitos, novos desafios. Caxias do Sul, RS: Educs, v. 417, 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2023 Ciro Martins Ferreira, Antonia Gleicikele Alves, Fábia Albuquerque Portela, Letícia Lacerda Freire, Francisco Amílcar Moreira Junior

Revista Brasileira de Meio Ambiente (Rev. Bras. Meio Ambiente) | ISSN: 2595-4431

CC-BY 4.0 Revista sob Licença Creative Commons
Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn