Estabelecimentos Rurais Camponeses no Bioma Caatinga de clima semiárido: perspectivas e desafios na atualidade

João Rafael Gomes de Morais

Resumo


O bioma caatinga de clima semiárido abriga a maior parte dos estabelecimentos rurais camponeses do país, entre tanto, esses dois elementos são comumente relacionados, o primeiro, a seu regime climático e sua vegetação adaptada, e o segundo, por sua baixa produtividade e alto índice de pobreza, gerando muitas vezes interpretações deterministas e causais em relação a esses fatores. A persistência deste quadro deve-se a carência de tecnologias produtivas, sociais, econômicas, ambientais e organizacionais apropriadas que possibilitem uma coexistência equilibrada entre a demanda por bens naturais e os ciclos e ritmos da natureza. Buscando compreender melhor este contexto, o presente artigo se propôs a mapear e discutir a produção acadêmica recente das ciências sociais voltada ao estudo da dimensão socioeconômica e ambiental dos estabelecimentos rurais camponeses no bioma caatinga de clima semiárido. A pesquisa se apoiou em procedimentos metodológicos qualitativos, como a análise documental e bibliográfica. Apresentaremos a pesquisa em cinco partes articuladas entre si, deste modo, a primeira parte dedicamos ao estudo do conceito de camponês no contexto da agricultura brasileira, em seguida, buscamos refletir sobre o processo de conceituação e caracterização do bioma caatinga de clima semiárido. Na terceira parte analisamos o quadro socioeconômico dos estabelecimentos rurais camponeses, na quarta parte, estudamos o cenário ambiental do bioma considerando seus desafios e oportunidades, e por último, condensamos algumas proposições para a coexistência viável dos estabelecimentos rurais camponeses com o bioma caatinga de clima semiárido.

 

DOI: https://doi.org/10.5281/zenodo.3457630


Palavras-chave


Bioma Caatinga, Semiárido, Campesinato

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Araújo, T. B.; Bezerra, M. L. (2017). Introdução. IN: IICA. Tipologia Regionalizada dos Espaços Rurais Brasileiros: implicações no marco jurídico e nas políticas públicas. Série Desenvolvimento Rural, v.22, p. 31-38. Disponível em: http://www.iica.int/pt/publications/tipologia-regionalizada-dos-espa%C3%A7os-rurais-brasileiros-implica%C3%A7%C3%B5es-no-marco-jur%C3%ADdico-e

Aubin, L. (2017). O paradigma agroecológico e as crises da sociedade contemporânea: contribuições sociantropológicas na perspectiva da teoria mimética. Desenvolv. Meio Ambiente. v 41, p. 270-294, Agosto. DOI: 10.5380/dma.v41i0.51341

Baptista, N. de Q. (2016). As tecnologias sociais e seu papel na transformação da sociedade. IN: Santos, A P.; Cunha, A. R. B. de A.; Denis, A. A. C.; Marin, A. M. P. Vivências e práticas para a coabitação no semiárido brasileiro: ensaios e reflexões. Campina Grande. INSA, p. 29-41. Disponível em: https://portal.insa.gov.br/acervo-livros/462-vivencias-e-praticas-de-coabitacao-no-semiarido-brasileiro-ensaios-e-reflexoes

Bitoun, J.; Miranda, L. I. B. de.; Soares, F. R. G.; Lyra, M. R. S. de B.; Cavalcanti, J. S. (2017) A Tipologia Regionalizada dos Espaços Rurais Brasileiros. IN: IICA. Tipologia Regionalizada dos Espaços Rurais Brasileiros: implicações no marco jurídico e nas políticas públicas. Série Desenvolvimento Rural, v.22, p. 39-238.

Barreto, A. G. O. P.; Lima. R. C. de A.; Maule, R. F.; Martins. S. P. (2013). Efeitos da aplicação do novo Código Florestal sobre o pequeno produtor e a viabilidade ambiental da agricultura familiar. IN: Navarro, Z.; Campos, S. K. A “pequena produção rural” no Brasil e as tendências do desenvolvimento agrário brasileiro: Ganhar tempo é possível? Brasília, CGEE, p. 233-262,

Buainain, A. M.; Garcia, J. R. (2013a). Os pequenos produtores rurais mais pobres ainda tem alguma chance como agricultores? IN: Navarro, Z. S.; Campos, S. K. A “pequena produção rural” no Brasil e as tendências do desenvolvimento agrário brasileiro: Ganhar tempo é possível? Brasília, CGEE, p. 29-70.

____________________. (2013b). Contextos locais ou regionais: importância para a viabilidade econômica dos pequenos produtores. IN: Navarro, Z. S.; Campos, S. K. A “pequena produção rural” no Brasil e as tendências do desenvolvimento agrário brasileiro: Ganhar tempo é possível? Brasília, CGEE, p. 133-176.

Castro, C. N. (2012). Agricultura no Nordeste Brasileiro: Oportunidades e Limitações ao Desenvolvimento. Texto para discussão, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília; Rio de Janeiro, IPEA.

Cavalcanti, J. S. B. (2004). Globalização e Ruralidade. IN: Wanderley, M. de N. B. Globalização e desenvolvimento sustentável: dinâmicas sociais rurais no Nordeste brasileiro. Editora Polis, São Paulo, UNICAMP, p. 17-32.

CGEE. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. (2016). Desertificação. Degradação da terra e secas no Brasil. Brasília

Ferreira, L. da C. (2006). Ideias Para Uma Sociologia da Questão Ambiental no Brasil. São Paulo: Annablume.

Freire, N. C. F; Moura, D. C.; Silva, J. B. da; Moura, A. S. de; Melo, J. I. M; Pacheco, A. P. (2018). Atlas das Caatingas: o único bioma exclusivamente brasileiro. Recife, Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana,

Guivant, J. S. A (1998). Trajetória das Análises de Risco: Da Periferia ao Centro da Teoria Social. BIB - Revista Brasileira de Informações Bibliográficas em Ciências Sociais. Rio de Janeiro, n.°46. 2 semestre, p. 3-38.

Hannigan, J. A. (1995). Sociologia Ambiental: A Formação de uma Perspectiva Social. Lisboa. Instituto Piaget.

Helfand, S. M.; Pereira, V. da F.; Soares, W. L. (2014) Pequenos e Médios produtores na agricultura brasileira: situações e perspectivas. In: Buainain, A. M.; Alves, E.; Silveira, J. M. de; Navarro, Z. (editores técnicos). O mundo rural do século 21: a formação de um novo padrão agrário e agrícola. Brasília-DF, Embrapa, p. 535-557.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2004). Mapa dos Biomas. Disponível em : https://ww2.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/21052004biomashtml.shtm . Acessado: 23/07/2018.

_____. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2006). Censo Agropecuário.

_____, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2015). Indicadores de Desenvolvimento Sustentável.

_____. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2017). Censo Agropecuários – Dados Preliminares

Leff, E.(2016) A aposta pela vida: imaginação sociológica e imaginários sociais nos territórios ambientais do Sul. Tradução: João Batista Kreuch, Petrópolis-RJ, Editora Vozes.

Mattei, L. (2015). Políticas públicas de apoio à agricultura familiar: o caso recente do Pronaf no Brasil. Revista Raízes. V.35, n.1, jan-jun.

Mazoyer, M.; Roudart, L. (2010) Histórias das agriculturas: do neolítico à crise contemporânea. Tradução: Cláudia F. Falluh Balduino Ferreira, Editora UNESP, São Paulo, NEAD.

Navarro. Z. S.; Campos. S. K. (2014) A “pequena produção rural” no Brasil e as tendências do desenvolvimento agrário brasileiro. Revista de Extensão e Estudos Rurais. V.3, N.1, Pag. 25-92.

Pauptiz, J. (2010). Elementos da estrutura fundiária e uso da terra no semi-árido brasileiro. In: Gariglio, M. A; Sampaio, E. V. de S. B.; Cestaro, L. A.; Kageyama, P. Y. (orgs). (2010). Uso sustentável e conservação dos recursos florestais da caatinga. Brasília-DF, Ministério do Meio Ambiente - MMA, Serviço Florestal Brasileiro, p. 49-64,

Sampaio, E. V. de S. B. (2010). Características e Possibilidades. In: Gariglio, M. A; Sampaio, E. V. de S. B.; Cestaro, L. A.; Kageyama, P. Y. (orgs). Uso sustentável e conservação dos recursos florestais da caatinga. Brasília-DF, Ministério do Meio Ambiente (MMA), Serviço Florestal Brasileiro, p. 29-48.

Schneider, S. (2003). Teoria social, agricultura familiar e pluriatividade. BBCS, Vol. 18, N 51, p. 99-121.

Silva, A. G. da; Costa, F. B. 2014). Os estabelecimentos rurais de menor porte econômico do Semiárido nordestino frente às novas tendências da agropecuária brasileira. In: Buainain, A. M.; Alves, E.; Silveira, J. M. de; Navarro, Z. (editores técnicos). O mundo rural do século 21: a formação de um novo padrão agrário e agrícola. Brasília-DF, Embrapa, p. 947-977.

Silva, J. G. da; Kageyama, A. A.; Romão, D. A.; Neto. J. A. W.; Pinto, L. C. G. (1983). Tecnologias e Campesinato: o caso brasileiro. Revista de Economia Politica, Vol 3, n°4. out/dez, p. 21-56,

Shanin, T. (2005). A definição de camponês: conceituações e desconceituações – o velho e o novo em uma discussão marxista. Revista Nera – ano 8, n. 7 – julho/dezembro, p.01-21.

Wanderley, M. N. B. (2000a) A valorização da agricultura familiar e a reivindicação da ruralidade no Brasil. Desenvolvimento e Meio Ambiente, n2, jul/dez, p. 29-37.

________. M. N. B. (2000b). A emergência de uma nova ruralidade nas sociedades modernas avançadas: o rural como espaço singular e ator coletivo. Estudos sociedade e agricultura, Rio de Janeiro, n. 15, v8, outubro, p. 87-145.

_________. M. N. B. (2009a). O mundo rural brasileiro: acesso a bens e serviços e integração campo-cidade. Estud.soc.agric, Rio de Janeiro, Vol. 17, N1, p. 60-85.

_________. M. de N. B. (2009b) O agricultor familiar no Brasil: um ator da construção do futuro. In: Petersen, P. (org), Agricultura familiar camponesa na construção do futuro. 1a edição. Rio de Janeiro: AS-PTA, p. 33-45.

_________. M. de N. B. (2011). Um Saber Necessário: Os estudos rurais no Brasil. Campinas-SP, Editora Unicamp, 2011.

_________. M. de N. B. (2015). O Campesinato Brasileiro: uma história de resistência. RESR, Vol. 52, Supl. 1, Piracicaba-SP, p. S025-S044.

__________, M. N. B. (2017). ”Franja periférica”, “pobres do campo”, Camponeses”: dilemas da inclusão social dos pequenos agricultores familiares. IN: Delgado, G. C.; Bergamasco, S. M. P. P. (orgs). Agricultura familiar brasileira: desafios e perspectivas de futuro. Brasília, Ministério do Desenvolvimento Agrário, p. 66-83.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 João Rafael Gomes de Morais

ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn