Qualidade da água de abastecimento público em escolas da rede públicas no município de Humaitá, Amazonas, Brasil

Mariano Vieira dos Santos, Miqueias Lima Duarte, Tatiana Acácio da Silva, Keith Soares Valente, Hilma Margalhães de Oliveira

Resumo


A água é um recurso natural indispensável para vida e ao desenvolvimento humano, a garantia desse recurso em quantidade e qualidade adequada deve ser um objetivo comum das autoridades, uma vez que sua contaminação constitui um grande risco a saúde pública, além de provocar diversos problemas ambientais. Esse trabalho avaliou as condições de potabilidade da água fornecida em duas escolas da rede pública estadual do município de Humaitá, localizado sul do estado do Amazonas. A amostragem de água foi realizada na escola estadual Duque de Caxias e Álvaro Maia, sendo avaliado parâmetros físico-químicos e biológicos, e comparados com os valores de referência estabelecidos pela legislação. Os resultados obtidos indicam as precárias condições do sistema de abastecimento público municipal, e em consequência, observou-se que a água distribuída para consumo humano se encontra em desconformidade em relação aos valores estabelecidos na legislação, podendo causar problemas de saúde para os alunos que a consomem. Nesse caso, é indicado que seja realizado a desinfecção da água estes do consumo afim de assegurar a qualidade e atender os padrões de potabilidade.

 

https://doi.org/10.5281/zenodo.3401657


Palavras-chave


Água subterrânea, potabilidade, parâmetros físico-químicos, coliformes totais.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - ABNT. NBR 12.244:2006. (2006). Poço tubular - construção de poço tubular para captação de água subterrânea. Rio de Janeiro. 5p.

BACCI, D. C.; PATACA, E. M. (2008). Educação para a água. Estudos Avançados, v. 22, n. 63. p. 211-226.

BARCELLOS, C; QUITÉRIO, L. A. (2006) Vigilância ambiental em saúde e sua implantação no Sistema Único de Saúde. Revista Saúde Pública, v. 40, n.1. p.170-1771.

BRASIL. Portaria n° 2.914 de 12 de dezembro de 2011. (2011). Estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 14 de dez. Seção 1.

CASTRO, E. H.; SILVA, J. L.; FORMIGA, J. O. (2016). Estudo preliminar da potabilidade da água, para o consumo, da rede de abastecimento do município de Humaitá-AM. In: XIV ENEEAmb, II Fórum Latino e I SBEA – Centro-Oeste. p. 558-564.

CESA, M. V.; DUARTE, G. M. (2010). A qualidade do ambiente e as doenças de veiculação hídrica. Geosul, v. 25. N. 49, p. 63-78.

COHASB - COMPANHIA HUMAITAENSE DE ÁGUAS E SANEAMENTO BÁSICO. (2018). Relatório técnico dos poços. Humaitá-AM, p. 2. (Relatório não publicado).

COSTA, C. L.; LIMA, R. F.; PAIXÃO, G. C.; PANTOJA, L. D. M. (2012). Avaliação da qualidade das águas subterrâneas em poços do estado do Ceará, Brasil. Ciências Biológicas e da Saúde, v. 33, n. 2, p. 171-180.

COSTA, T. A. C. R.; OLIVEIRA, B. O. S.; VALENTE, K. S. (2018). Avaliação da qualidade da água de poços cacimba e rasos no município de Humaitá-AM. Revista EDUCAmazônia. v. 20, n. 1. p. 157-172.

DUARTE, M. L.; ZANCHI, F. B.; NEVES, J. R. D.; COSTA, H. S.; JORDÃO, H. C. 2016. Vulnerabilidade à contaminação das águas subterrâneas no município de Humaitá, Amazonas, Brasil. Ambiente & Água. v. 11, n. 2. p. 402-413.

EL-RAHMAN, S. S. A. (2003). Neuropathology of aluminum toxicity in rats (glutamate and GABA impairment). Pharmacological Research. v. 47, n. 3, p. 189-194.

FOSTER, S.; HIRATA, R. (1988). Groundwater pollution risk assessment: a methodology using available data. Lima: WHO/PAHO/HPECEPIS, p. 81.

GRUMICKER, M. G.; BATISTA-SILVA, V. F.; BAILLY, D.; SILVA, A. F. G.; RUARO, R.; MORAES, A. R. (2018). Qualidade da água de poços artesianos em um assentamento do município de Mundo Novo, Mato Grosso do Sul. RG&AS. v. 7. n.1. p. 807-821.

MAIA, M. A. M. (2010). Geodiversidade do estado do Amazonas. Manaus: Serviço Geológico do Brasil - CPRM, Manaus-AM, p. 59-71.

MEDEIROS, C. M.; LIMA, M. O.; GUIMARÃES, R. M. (2016). Avaliação da qualidade da água de consumo por comunidades ribeirinhas em áreas de exposição a poluentes urbanos e industriais nos municípios de Abaetetuba e Barcarena no estado do Pará, Brasil. Ciência e Saúde Coletiva, v. 21, n. 3. p. 695-708.

MOURA, D.; FERMINO, F. S. (2014). Aspectos da qualidade da água para abastecimento público na represa Paulo de Paiva Castro/Sistema Cantareira-São Paulo/SP. Revista Metropolitana de Sustentabilidade. v. 4. n. 2. p. 96-109.

PERL, D. P.; GOOD, P. F. (1988). Aluminum, environmental and central nervous system disease. Environmental Technology Letters, v. 9, p. 901-906.

RAZZOLINI, M. T. P.; GUNTHER, W. M. R. (2008). Impactos na saúde das deficiências de acesso a água. Saúde e Sociedade, v. 17, n. 1.

SANTOS, C. R.; SILVA, K. D. A.; FORTUNA, J. L. (2016). Pesquisa de coliformes na água das caixas d‘água de poços semiartesianos no município de Teixeira de Freitas-BA. Interbio. v. 10. n. 2, p 57-68.

SCALIZE, P. S.; BARROS, E. F. S.; SOARES, L. A.; HORA, K. E. R.; FERREIRA, N. C.; BAUMANN, L. R. F. (2014). Avaliação da qualidade da água para abastecimento no assentamento de reforma agraria Canudos, Estado de Goiás. Ambiente & Água. v. 9. n. 4. p. 696-707.

SNIS – Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento. (2019). Diagnostico dos serviços de água e esgoto – 2017. Disponível em: http://www.snis.gov.br/diagnostico-agua-e-esgotos/diagnostico-ae-2017, acesso em 08 de junho de 2019.

TARTARI, R.; NASCIMENTO, I. L.; FROZZI, J. C.; NASCIMENTO, L. J. L. N.; FIGUEIREDO, M. C.; FABIANO, M. (2014). Avaliação da qualidade físico-química da água em uma escola localizada ao sul do amazonas: proposta de ensino e conscientização ambienta. Revista EDUCAmazônia. v. 12. n. 1. P. 127-146.

TUCCI, C. E. M.; CORDEIRO, O. M. (2004). Diretrizes estratégicas para ciência e tecnologia em recursos hídricos no Brasil. REGA - Global Water Partnership South America, Santiago, v. 1, n. 1, p. 21-35.

TUCCI, C. M. 2008. Águas urbanas. Estudos Avançados. v. 22. n. 63. p. 97-112.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Mariano Vieira dos Santos, Miqueias Lima Duarte, Tatiana Acácio da Silva, Keith Soares Valente

ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn