Gerenciamento de resíduos farmacêuticos, medicamentos vencidos, no município de Corrente - Piauí (Brasil)

João Heitor Nogueira Castro Lustosa, Marcília Martins da Silva

Resumo


A gestão de Resíduos Sólidos provindos das atividades desenvolvidas no meio urbano é uma problemática recorrente nas cidades em todo o Brasil, sobretudo materiais que não podem ser dispostos em qualquer ambiente pelas características que os tornam perigosos, caso dos medicamentos com prazo de validade findado. Pelo exposto, faz-se necessário pesquisar como ocorre o descarte de medicamentos vencidos em estabelecimentos farmacêuticos, mesmo que sejam de pequeno porte. Este artigo tem como objetivos: verificar como é feito o manejo dos resíduos farmacêuticos, identificar como é realizado o gerenciamento no âmbito em questão, indagar acerca da percepção dos empresários do ramo sobre os riscos gerados ao meio ambiente e a saúde pública. Metodologicamente foram realizadas visitas às farmácias do centro da cidade de Corrente-PI totalizando cinco empreendimentos em posse de um roteiro de entrevista com questões fechadas. Foram coletadas informações sobre a gestão dos resíduos (medicamentos vencidos) dos estabelecimentos que voluntariamente aceitaram responder aos questionamentos. Os resultados permitem elucidar informações sobre o manejo de medicamentos vencidos, no intuito de fomentar uma discussão acerca dos problemas oriundos do descarte incorreto desses produtos, já que com as informações é possível a proposição de políticas públicas e campanhas para que estabelecimentos participem do processo de logística reversa, de modo que se conclui que não existe um gerenciamento adequado e o processo de logística reversa ainda é falho.

 

DOI: https://doi.org/10.5281/zenodo.3524761


Palavras-chave


Disposição final; Resíduo; Logística reversa.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


ABNT. Resíduos Sólidos - Classificação. Associação Brasileira de Normas Técnicas, 2004.

ANVISA. Resolução RDC n. 306, de 7 de dezembro de 2004. Brasília, 2004. Disponível em: . Acesso em: 3 set. 2019

BRASIL. Lei N. 5.991, de 17 de dezembro de 1973. Brasília, 1973. Disponível em: . Acesso em: 3 set. 2019

BRASIL. Constituição da Republica Federativa do Brasil. Brasilia, 1988. Disponível em: . Acesso em: 3 jun. 2019

BRASIL. Lei n. 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Brasília, 1998. Disponível em: . Acesso em: 3 set. 2019

BRASIL. Lei n. 9.782, de 26 de janeiro de 1999. Brasília, 1999. Disponível em: . Acesso em: 3 set. 2019

BRASIL. Lei n. 12305, de 2 de agosto de 2010. Brasilia, 2010. Disponível em: . Acesso em: 3 set. 2019

CARVALHO, E. V. DE et al. Aspectos legais e toxicológicos do descarte de medicamentos. Revista Brasileira de Toxicologia, v. 22, n. 1–2, p. 1–8, 2009.

CONAMA. Resolução n. 237, de 19 de dezembro de 1997. Brasília, 1997. Disponível em: . Acesso em: 3 set. 2019

FALQUETO, E.; KLIGERMAN, D. C.; ASSUMPCAO, R. F. Como realizar o correto descarte de resíduos de medicamentos? Ciencia e Saúde Coletiva, v. 15, n. suppl. 2, p. 3823–3293, 2010.

GOMES, P. N (2019). Caracterização e levantamento dos impactos socioambientais da área de disposição final de resíduos sólidos do município de Corrente- PI. Monografia, Tecnologia em Gestão Ambiental, Instituto Federal do Piauí, Corrente, PI, 88, Brasil.

PINTO, G. M. Estudo do descarte residencial de medicamentos vencidos na re


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 João Heitor Nogueira Castro Lustosa, Marcília Martins da Silva

ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn