Tempo de extração para óleo essencial de Croton spp. (Euphorbiacae)

Divanize Batista Sales Barros, Maíra Honorato de Moura Silva, Rayza Helen Graciano dos Santos, Antônio Fernando Morais Oliveira

Resumo


Os óleos essenciais (OE’s) vêm ganhando destaque nas pesquisas de produtos naturais devido ao seu potencial farmacológico já comprovado, sua complexa variabilidade química, por serem economicamente viáveis, por estarem presentes em diversas partes das plantas e por serem de fácil extração. Visando a otimização no tempo de extração, este trabalho teve como objetivo verificar o tempo de extração necessário para esgotamento máximo dos OE’s de Croton spp., tomando Croton adamantinus Müll. Arg. como espécie modelo e verificando os rendimentos de OE por essa espécie. Para isso, folhas secas em temperatura ambiente foram submetidas à extração do OE por hidrodestilação em equipamento do tipo Clevenger durante 2, 3 e 4 horas, em seguida filtrados em sulfato de sódio anidro e armazenados em vidro ambar sob refrigeração a -5 ºC. O rendimento foi calculado de acordo com o quociente do peso do óleo recolhido e o peso seco do material vegetal extraído e os dados obtidos foram submetidos à análise estatística com teste de média (Teste de Tukey 5%). Croton adamantinus apresentou um rendimento médio de 0,68% e foi possível observar que não houve diferença estatística entre os tempos de extração analisados, permitindo assim, adotar o tempo de extração de 2 horas como o necessário para esgotamento total dos OE’s de Croton spp. com confiabilidade.


Palavras-chave


Croton, Hidrodestilação, Óleos voláteis, Rendimento

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


BERRY, P. E. et al.. Molecular phylogenetics of the giant genus Croton and tribe Crotoneae (Euphorbiaceae sensu stricto) using ITS and TRNL-TRNF DNA sequence data. American Journal of Botany, St. Louis, v. 92, n. 9, p. 1520-1534. Set. 2005; doi:10.3732/ajb.92.9.1520

COSTA, Larissa Corrêa do Bomfim. Condições culturais, anatomia foliar, processamento e armazenamento de Ocimum selloi em relação ao óleo essencial. 2008. 161 f. Tese (Doutorado) - Curso de Agronomia, Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2008.

FRANS PAREYN. Cuidando da Caatinga. Associação Plantas do Nordeste (APNE) & Royal Botanic Gardens, Kew, 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2017.

FURLAN, M. R. Cultivo de Plantas Medicinais. Coleção Agroindústria, v.13. SEBRAE. Cuiabá/MT. 128p. 1998.

JORGE, Schirlei da Silva Alves. Plantas Medicinais: Coletânea de Saberes. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2017.

OLIVEIRA, Ariana Rmf de et al. Determinação do tempo de hidrodestilação e do horário de colheita no óleo essencial de menta. Horticultura Brasileira, [s.l.], v. 30, n. 1, p.155-159, mar. 2012. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s0102-05362012000100026.

SANTOS, F. A. Atividade antibacteriana, antinoceptiva e anticonvulsivante dos óleos essenciais Psidium guyanenses PERS. e Psidium pohlianum BERG. Dissertação de mestrado, UFC, Fortaleza, 1997.

XIMENES, Rafael Matos et al. Antinociceptive and wound healing activities of Croton adamantinus Müll. Arg. essential oil. Journal Of Natural Medicines, [s.l.], v. 67, n. 4, p.758-764, 22 jan. 2013. Springer Nature. http://dx.doi.org/10.1007/s11418-012-0740-1.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Divanize Batista Sales Barros, Maíra Honorato de Moura Silva, Rayza Helen Graciano dos Santos, Antônio Fernando Morais Oliveira

ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn