Abordagens e discussão de métodos empregando carvão e alumina ativada para remoção de fluoreto em águas e efluentes

Igor Arruda Souza, Luciana Vitorina Braz dos Santos, Aldenor Gomes Santos

Resumo


A água é um recurso natural essencial para os seres vivos e na utilização em processos industriais. As indústrias de fertilizantes, siderúrgicas, cerâmicas e etc, podem apresentar níveis elevados de fluoreto em seus efluentes líquidos contaminando assim os recursos hídricos quando descartados. A presença de fluoreto em excesso na água pode acarretar doenças como a fluorose esquelética e dentária. Neste sentido, o presente artigo caracteriza os níveis de concentrações de íons de fluoreto em águas e efluentes, considerando os parâmetros e condições cabíveis nas legislações e aborda o processo de remoção de fluoreto em águas e efluentes pela técnica de adsorção, aplicando o carvão ativado e alumina ativada como principais materiais adsorventes. A discussão de alguns experimentos descritos na literatura, demostraram através de dados que o carvão ativado e a alumina ativada, têm uma boa capacidade de adsorção, e são eficientes na remoção de contaminantes em águas e efluentes analisados.


Palavras-chave


Águas;efluentes;fluoreto;carvão, alumina

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


ALVARINDO, S. B; MARTINELLI, J. R. Utilização de alumina para a remoção de fluoretos em águas e efluentes. Cerâmica: São Paula, v. 46, n. 298, jun. 2000. Disponível em: . Acesso em: 23 nov. 2018.

ASSIS, G. F. et al. Mecanismos biológicos e influência de fatores ambientais na fluorose dentária e a participação do flúor na prevenção da cárie. Revisão de literatura. Rev. FOB Faculdade de Odontologia de Bauru - USP: 1999. Vol. 7, n.3/4, p.63-70.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT. NBR 9800: Critérios para lançamento de efluentes líquidos industriais no sistema coletor público de esgoto sanitário: São Paulo, abr. 1987. Disponível em: < https://www.abntcatalogo.com.br/norma.aspx?ID=005381>. Acesso em: 22 nov. 2018.

BRASIL. NBR 10004: Resíduos sólidos – Classificação. Brasil, nov. 2004. Disponível em: < https://analiticaqmcresiduos.paginas.ufsc.br/files/2014/07/Nbr-10004-2004-Classificacao-De-Residuos-Solidos.pdf >. Acesso em: 23 nov. 2018.

BRASIL. ASSOCIAÇÃO NACIONAL DA ÁGUA – ANA. Quantidade de água. Disponível em: < http://www3.ana.gov.br/portal/ANA/aguas-no-brasil/panorama-das-aguas/quantidade-da-agua >. Acesso em: 23 nov. 2018.

BRASIL. Fundação Nacional de Saúde. Manual de Controle da Qualidade da Água para Técnicos que Trabalham em ETAS: Ministério da Saúde: Brasília, DF, 1ª ed. 2014 Disponível em: < http://www.funasa.gov.br/site/wp-content/files_mf/manualcont_quali_agua_tecnicos_trab_emetas.pdf>. Acesso em: 23 nov. 2018.

BRASIL. LEI Nº 6.050, DE 24 DE MAIO DE 1974. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 27 mai. 1974. Seção 1, p. 6021. Disponível em: < https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-6050-24-maio-1974-357391-publicacaooriginal-1-pl.html >. Acesso em: 23 nov. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Consumo sustentável: Manual de educação. – Brasília: Consumers International /MMA/MEC/ IDEC, 2005. 160 p. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/publicacao8.pdf >. Acesso em: 21 nov. 2018.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. RESOLUÇÃO CONAMA nº 430, DE 13 DE MAIO DE 2011. Dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes. Diário Oficial da União: Brasília, DF, nº 92, de 16 de maio de 2011, pág. 89. Disponível em: < http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=646 >. Acesso em: 23 nov. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretária de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Vigilância em Saúde Ambiental. Portaria MS nº 518/2004. – Brasília: Editoria do Ministério da Saúde, 2005. 28 p. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/portaria_518_2004.pdf >. Acesso em: 23 nov. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia de recomendações para o uso de fluoreto no Brasil. – Brasília: Ministério da Saúde, 2009. Disponível em: < http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/guia_fluoretos.pdf >. Acesso em: 20 nov. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Manual de fluoretação da água para consumo humano. – 1ª ed. – Brasília, DF: Funasa, 2012. 72 p. Disponível em: < http://www.funasa.gov.br/site/wp-content/files_mf/mnl_fluoretacao_2.pdf >. Acesso em: 22 nov. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Manual de controle de qualidade da água para técnicos que trabalham em ETAS. – 1ª ed. – Brasília, DF: Funasa, 2014. 112 p. Disponível em: < http://www.funasa.gov.br/site/wp-content/files_mf/manualcont_quali_agua_tecnicos_trab_emetas.pdf >. Acesso em: 23 nov. 2018.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. PORTARIA N.º 1469, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2000. Brasília, DF, 2000. Disponível em: . Acesso em: 23 nov. 2018.

BRASIL. Portaria nº 635/Bsb, 26 de dezembro de 1975. Aprova normas e padrões sobre a fluoretação da água. Edição Federal: Brasília, 1975. Disponível em: < https://central3.to.gov.br/arquivo/349893/>. Acesso em: 23 nov. 2018.

BRASIL. RESOLUÇÃO CONAMA nº 396, de 3 de abril de 2008. Dispõe sobre a classificação e diretrizes ambientais para o enquadramento das águas subterrâneas e dá outras providências. Diário Oficial da União: Brasília, DF, nº 66, de 7 de abril de 2008, Seção 1, páginas 64-68. Disponível em: . Acesso em: 23 nov. 2018.

BRASIL. RESOLUÇÃO CONAMA nº 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamentos de efluentes, e dá outras providências. Diário Oficial da União: Brasília, DF, nº 053, de 18 de março de 2005, páginas 58-63. Disponível em: < http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=459>. Acesso em: 19 nov. 2018.

BRITO, C. S. et al. Vigilância da concentração de flúor nas águas de abastecimento público na cidade de Passo Fundo - RS. Cad. saúde colet. [online]. 2016, vol.24, n.4, pp.452-459. Disponível em: . Acesso em: 17 nov. 2018.

CAMMAROTA, M. C. Notas de Aula: Tratamento de efluentes líquidos. Engenharia Ambiental. UFRJ: Rio de Janeiro, RJ, 2011.

CATANI, D. B. et al. Relação entre níveis de fluoreto na água de abastecimento público e fluorose dental. Rev. Saúde Pública [online]. – São Paulo: 2007, vol. 41, n.5, pp 732-739. Disponível em: . Acesso em: 18 nov. 2018.

CETESB – Cia. de Tecnologia de Saneamento Ambiental. FIT – Fixa de Informação Tecnológica – Flúor e Fluoreto. São Paulo, 2018.

CHARBEL, M. Y. Estudo para a remoção de fluoreto e águas e efluentes. IPEM: São Paulo. 1990. Disponível em: < http://pelicano.ipen.br /Pos G30/TextoCompleto/Maria%20Youssef%20Charbel_D.pdf >. Acesso em: 23 nov. 2018.

CHRISTE, M. C. Notas de Aula: Tratamento de Efluentes. UFRJ: Rio de Janeiro, v.3, jan. 2011. Disponível em: . Acesso em: 23 nov. 2018.

COELHO, G. F. et al. Uso de técnicas de adsorção utilizando resíduos agroindustriais na remoção de contaminantes em águas. Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE. Paraná – PR, 2014. 27 p.

FELINI et al. Utilização do carvão ativado modificado com nanopartículas de prata e cobre para remoção de flúor. 26º encontro anual de iniciação científica, 2017. Maringá – PR. Universidade Estadual de Maringá. Centro de Tecnologia – UEM, 2017.

FRAZÃO, P. et al. Padrões de potabilidade da água para consumo humano quanto ao teor de flúor: subsídios para a revisão da Portaria MS 518/2004. São Paulo, 2010. 53 p.

GARCIA, I. A. et al. Toxicidade do flúor. II Semana de Farmácia da UniFATEA, 2016, Lorena – SP. Centro Universitário Teresa D’Ávila – UniFATEA, 2006.

GIORDANO, G. Avaliação ambiental de um balneário e estudo de alternativa para controle da poluição utilizando o processo eletrolítico para o tratamento de esgotos. Niterói – RJ, 1999. 137 p. Dissertação de Mestrado (Ciência Ambiental) Universidade Federal Fluminense, 1999.

HEM, J. D. Study and interpretation of the chemical characteristics of natural water. 3rd ed., 1985.

MANCUSO, P. C. S.; SANTOS, H. F. Reúso de Água. – Barueri, SP: Manole, 2003. 610 p.

MASEL, R. I. Principles of adsorption and reaction on solid surfaces. – 1st ed - New York: Wiley & Sons, 1996. 804 p.

MATOS, S. P. Operações unitárias: fundamentos, transformações e aplicações dos fenômenos físicos e químicos. – 1ª ed. – São Paulo: Érica, 2015. 160 p.

METCALF & EDDY. Tratamento de efluentes e recuperação de recursos [recurso eletrônico] / Metcalf, Eddy; tradução: Ivanildo Hespanhol, José Carlos Mierzwa. – 5ª ed. – Porto Alegre: AMGH, 2016. 1927 p.

MIRLEAN, N., CASARTELLI, M. R., GARCIA, M. R. D. Propagação da poluição atmosférica por flúor nas águas subterrâneas e solos de regiões próximas às indústrias de fertilizantes. FURG: Rio Grande do Sul. Química Nova [online], v. 25, p. 191-195, 2002. Disponível em: . Acesso em: 23 nov. 2018.

NANNI, A. S. O Flúor em águas do Sistema Aquífero Serra Geral no Rio Grande do Sul: origem e condicionamento geológico. 2008, p. 20-21. Porto Alegre: IGEO/UFRGS. Tese (Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Geociências. Programa de Pós- Graduação em Geociências, Porto Alegre-RS, 2008.

NASCIMENTO, R. F. et al. Adsorção: aspectos teóricos e aplicações ambientais. Fortaleza: Imprensa Universitária, 2014. 256 p.

OLIVATI, F. N. Pistas na folha de eucalipto. Jornal Unicamp: Campinas, São Paulo, 13 jun. 2016. 8 p.

PIVELI, R. P. A química do cloro e do flúor nas águas de abastecimento público. PDF, 2006 Disponível em: < http://www.pha. poli.usp.br/LeArq.aspx?id_arq=735 >. Acesso em: 23 de nov. de 2018.

RODRIGES, J. A. P. Geração de resíduos industriais e controle Ambiental. UFPA: Pará, 2014. Disponível em: . Acesso em: 03 nov. 2018.

SANTOS, C. C. L. et al. Fluorose Esquelética em idosos: Uma revisão sistémica. Revista CIEH [online]. Editora realize: Campina Grande, PB, 2013. Disponível em:< http://www.editorarealize.com.br/revistas/cieh/?id=10>. Acesso em: 24 de nov. de 2018.

SANTOS, H. J. M. et al. Flúor: elemento potencialmente tóxico para plantas, animais e seres humanos. Revista EDUCAmazônia – Educação Sociedade e Meio Ambiente, LAPESAM/GISREA/UFAM/CNPq/EDUA [versão digital]. Ano 6, vol. X, Número 1, p. 78 – 92, 2013.

SILVEIRA, C. et al. Remoção de íons fluoreto de águas para consumo humano pelo processo de adsorção utilizando carvão ativado. COBEQ: Florianópolis, SC, out. 2014.

SILVA, A. T. Influência da temperatura na adsorção do corante azul de metileno utilizando serragem de Pinus elliottii como um adsorvente alternativo: um modelo para o tratamento de efluentes têxteis. UFSC: Florianópolis, SC, nov. 2005.

VENTURINI, C. Q. Vigilância dos teores de fluoreto nas águas de consumo humano: uma revisão sistêmica. Biblioteca digital, USP: São Paulo, 2014. 147 p. Dissertação de Mestrado (Ciências) Universidade de São Paulo, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Igor Arruda Souza, Luciana Vitorina Braz dos Santos, Aldenor Gomes Santos

ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn