Caracterização preliminar da microbacia hidrográfica do ribeirão São João, em Mar de Espanha - Minas Gerais

Emília Marques Brovini, Milton Marques Brovini, Renata Oliveira Pereira, Maria Helena Rodrigues Gomes

Resumo


O trabalho visa fazer uma caracterização preliminar da microbacia do ribeirão São João em Mar de Espanha – MG, em termos de qualidade da água em relação ao uso e ocupação do solo e análise morfométrica da área. Foram calculados 19 parâmetros físico-químicos da água em 2 pontos situados a montante e a jusante da cidade. Os mapas de uso e ocupação do local, assim como o cálculo de 11 parâmetros morfométricos, foram realizados com o auxílio do softwareArcGis® na versão 10.3. Observou-se que a microbacia não é propensa a enchentes e inundações naturalmente, no entanto, com o crescimento desordenado da malha urbana e de pastagens degradadas dentro de APP, assim como, a localização urbana em área dentro do leito menor do ribeirão, foram fatores que agravaram a propensão da microbacia a enchentes e inundações não naturais. O ponto 1 apresentou maior influência dos índices pluviométricos nos parâmetros físico-químicos quando comparado ao ponto 2. O ponto 2 sofre influência direta do lançamento de efluentes domésticos advindos da cidade, possuindo parâmetros como nitrogênio total, fósforo total, turbidez, demanda bioquímica de oxigênio (DBO5,20), ferro e oxigênio dissolvido (OD) fora dos padrões para classe 1 em todas as coletas analisadas. Sugere-se, portanto, a criação de piscinões a montante da área urbana do município para amenizar os problemas de inundação e enchentes, assim como, de políticas públicas, tais como o tratamento de efluentes, voltadas à melhora dos parâmetros físico-químicos da água do único manancial da cidade.


Palavras-chave


Geoprocessamento; Qualidade da água; Morfometria

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas (1997). NBR 9898- preservação e técnicas de amostragem de efluentes e corpos hídricos receptores. Rio de Janeiro. Brasil.

Adami M.; Gomes A. R.; Coutinho A. C.; Esquerdo J. C. D. M.; Venturiere A. (2015). Dinâmica do uso e cobertura da terra no estado do Pará entre os anos de 2008 a 2012. 17º simpósio brasileiro de sensoriamento remoto – SBSR, João Pessoa – PR, Brasil.

Alves A. C.; Conceição P. E. A. (2015). Levantamento do uso e ocupação do solo por meio de imagens tm-landsat-5 e ads-80 para o município de Manaus/AM. 17º simpósio brasileiro de sensoriamento remoto – SBSR, João Pessoa – PR, Brasil.

Alves g. m. r.; Ferreira M. F. M. (2016). Uso do solo em áreas de preservação permanente (APP) na bacia do córrego do Pântano, município de Alfenas-MG. Revista de geografia – PPGEO. 6 (4), 329-337.

ANA - Agência Nacional de Águas (2016). Hidrografia da bacia do rio Paraíba do Sul.

Andrietti G.; Freire R.; Amaral A. G.; Almeida f. t.; Bongiovani M. C.; Schneider R. M. (2016). Índices de qualidade da água e de estado trófico do rio Caiabi, MT. Revista Ambiente e Água. 11 (1), 163 – 175.

APHA; AWWA; (2012). Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater. 22º ed. Washington: Apha.

BRASIL. Resolução Conama nº 357 de 17 março de 2005 (2005). Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. 23p. Brasília.

BRASIL. Lei 12651, de 25 de maio de 2012 (2012). Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as leis nos 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as leis nos 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a medida provisória no 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Brasília.

Carvalho A. R.; Oliveira J. P. S..; Monteiro J. M. (2018). Ecologia de metazoários parasitos e relação comprimento/peso em geophagus brasiliensis (quoy & gaimard, 1824) (perciformes, cichlidae) do rio Paraibuna, Minas Gerais, Brasil. Revista eletrônica do campus Juiz de Fora. 3, 1-17.

Christofoletti, a. geomorfologia. São Paulo: Edgard bluche. p. 150, 1974.

Collares, E. G. (2000). Avaliação de alterações em redes de drenagem de microbacias como subsídio ao zoneamento geoambiental de bacias hidrográficas: aplicação na bacia hidrográfica do rio Capivari-SP. Dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo - SC, São Paulo, SP, Brasil.

Corvalán, S. B.; Gacia, G. J (2011). Avaliação ambiental da APA Corumbataí segundo critérios de erodibilidade do solo e cobertura vegetal. Geociências. 30 (2), 269–283.

Coutinho M. P.; Gonçalves D. A.; Caram R. A.; Soares P. V (2018). Áreas de inundação no trecho paulista da bacia do Rio Paraíba do Sul e nascentes do Cadastro Ambiental Rural. Revista Brasileira de Gestão Urbana. 10 (3), 614-623.

Eduardo C. C.; Silva A. C.; Ferreira C. C. M.; Rezende R. F.; Lima F. J. M (2010). Mapeamento geomorfológico e levantamento turístico em Mar de Espanha, Minas Gerais. 8º Simpósio Nacional de Geomorfologia. Rio de Janeiro.

EL-zeiny A. M.; Effat H. A (2017). Environmental monitoring of spatiotemporal change in land use/land cover and its impact on land surface temperature in El-Fayoum governorate, Egypt. Journal Remote Sensing Applications: Society and Environment. 8, 266-277.

EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Agência de Informação Embrapa. Disponível em: http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/Agencia16/AG01/arvore/AG01_96_10112005101956. html. Acessado em: 03 novembro de 2018.

Faustino, J (1996). Planificación y gestión de manejo de cuencas. Turrialba:CATIE, p. 90.

Galparsoro, L. U.; Fernández, S. P. (2001). Medidas de concordância: el índice Kappa. Disponível em: http://www.fisterra.com/mbe/investiga/kappa/kappa.asp. Acessado em: 10 de junho de 2018.

Hott, M.C; Guimarães, M; Miranda, E. E. (2004). Método para determinação automática de Áreas de Preservação Permanente em topos de morros para o Estado de São Paulo, com base em geoprocessamento. Embrapa Monitoramento por Satélite. Documentos n°34. ISSN – 0103-78110.

Honji R. M.; Tolussi C. E.; Caneppele D.; Polaz C. N. M.; Hilsdorf A. W. S. (2017). Moreira R. G. Biodiversidade e conservação da ictiofauna ameaçada de extinção da bacia do rio Paraíba do Sul. Revista da Biologia. 17 (2), 2017.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Brasileiro de 2010: Resultados. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/censo2010/apps/mapa/index.html?screen=max&ug=31&var=10110. Acessado em: 30 de maio de 2018.

INMET. Instituto Nacional de Meteorologia. Estações Automáticas. Disponível em: . Acessado em 03 de novembro de 2018.

Leithold J.; Fernandes C. V. S.; Knapik H. G. Azevedo J. C. R (2017). Caracterização quali-quantitativa da Matéria Orgânica em bacias hidrográficas urbanizadas como base para a aplicação dos Instrumentos de Gestão de Recursos Hídricos. Revista Brasileira de Recursos Hídricos. 22 (55).

López S.; Wright C.; Costanza P (2017). Environmental change in the equatorial Andes: Linking climate, land use, and land cover transformations. Journal Remote Sensing Applications: Society and Environment. 8, 291-303.

Machado, P. J. D. O. (2012). Diagnóstico ambiental e ordenamento territorial – instrumentos para a gestão da bacia de contribuição da represa de Chapéu d’Uvas/MG. Tese de doutorado. Universidade Federal Fluminense.

Menezes J. P. C.; Bittencourt R. P.; Farlas M. S.; Bello I. P.; Fla R.; Oliveira L. F. C. (2016). Relação entre padrões de uso e ocupação do solo e qualidade da água em uma bacia hidrográfica urbana. Revista Engenharia Sanitária e Ambiental. 21 (3), 519-534.

Mesquita E. A.; Cruz M. L. B.; Pinheiro L. R. O (2012). Geoprocessamento aplicado ao mapeamento das formas de uso da terra na área de preservação permanente (APP) da lagoa do Uruaú – Beberibe/CE. Revista Geonorte. 2 (4), 1509-1518.

Metcalf & Eddy, Inc (2014). Wastewater Engineering: Treatment, Disposal, Reus. McGraw-Hill International Editions. 5ª edição, Nova York.

MINAS GERAIS (1996). Deliberação Normativa Conjunta COPAM/CERH-MG nº 16, de 24 de setembro de 1996. Dispõe sobre o enquadramento das águas estaduais da bacia do rio Paraibuna.

MINAS GERAIS (2008). Deliberação Normativa Conjunta COPAM/CERH-MG nº 01, de 05 de maio de 2008. Dispõe sobre a classificação dos corpos d’água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências.

Moraes M. B.; Polaz C. N. M.; Caramaschi E. P.; Júnior S. S.; Souza G.; Carvalho F. L. (2017). Espécies Exóticas e Alóctones da Bacia do Rio Paraíba do Sul: Implicações para a Conservação. Revista Biodiversidade Brasileira. 7 (1), 34-54.

Mota A. A.; Grison F.; Giglio J. N.; Kobiyama M (2017). Instalação de uma pequena bacia experimental florestal: estudo de caso da bacia do Rio Araponga. Engenharia Sanitária e Ambiental. 22 (1), 73-80.

Paula M. R.; Benedetti A. C. P.; Filho W. P. (2016). Influência do Uso e Cobertura da Terra Aliado à Precipitação Pluviométrica na Qualidade da Água da Bacia Hidrográfica do Rio Ingaí – RS/Brasil. Revista do Departamento de Geografia. 32, 143-152.

Pereira C. C.; Lima J. D. (2015). As influencias dos usos das terras na bacia hidrográfica do córrego Brejo Alegre de Araguari (MG) sobre a qualidade das águas. Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades. v. 03 (19), 162-178.

Plano Municipal De Saneamento Básico (PMSB) – Mar de Espanha (2013).

Pinto, V. G. (2014). Modelagem ecohidrológica e caracterização biótica e abiótica da bacia hidrográfica do ribeirão do Espírito Santo. Programa de Pós-Graduação em Ecologia. Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

Santos M. L. V.; Santos E. N.; Filho J. T. S. (2015). O rio Paraíba do Sul e o abastecimento no estado do Rio de Janeiro. Semioses. 9 (1), 36-42.

Silva F. P.; Rocha C. B.; Neto R. M. (2015). Conflitos de uso da terra nas áreas de preservação permanente (APPs) da Bacia Hidrográfica do Ribeirão Ubá – MG. Revista de Geografia – PPGEO - UFJF. 5 (2), 141-156.

Silva R. G.; Faria R. A. V. B.; Moreira L. G.; Pereira T. L.; Silva C. H.; Botelho S. A (2016). Avaliação do processo de restauração de área de preservação permanente degradada no sul de Minas Gerais. Revista em Agronegócio e Meio Ambiente. 9 (1), 147-162.

Soares L. S.; Lopes W. G. R.; Castro A. C. L.; Araujo G. M. C. (2016). Análise morfométrica e priorização de bacias hidrográficas como instrumento de planejamento ambiental integrado. Revista do Departamento de Geografia. 31, 82-100.

Soares, R.;Machado, W. T. V.; Campos, D. V. B.; Monteiro, M. I. C.; Freire, A. S.; Santelli, R. E (2016). Avaliação da Aplicabilidade de Índices de Poluição Aquática: Estudo de Caso no Rio Paraibuna (Juiz de Fora, MG, Brasil). Revista Virtual de Química. 8 (6), 2105-2122.

Soares D. B.; Nobrega R. S.; Filho F. O. M. (2017). Mapeamento de solo exposto em área suscetível à desertificação em Pernambuco, Brasil. Revista Brasileira de Cartografia. 9 (69), 1789 - 1796.

Sutti B. O.; Borges R. P.; Guimarães L. L.; Schmiegelow J. M. M. (2016). Nitrogênio e matéria orgânica em dois rios com diferentes graus de impactos no sistema estuarino de Santos (São Paulo, Brasil). Brasilian Journal of Aquatic Science and Technology (BJAST). 20 (1), 93-104.

Vasco A. N.; Britto F. B.; Pereira A. P. S.; Junior A. V. M.; Garcia C. A. B.; Nogueira L. C (2011). Avaliação espacial e temporal da qualidade da água na sub-bacia do rio Poxim, Sergipe, Brasil. Revista Ambiente & Água. 6 (1), 118 – 130.

Villela, S. M. & Mattos (1975). A Hidrologia aplicada. São Paulo: McGraw- Hill do Brasil. p. 245.

Von Sperling, M (2014). Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. 1 (4), 25 - 92.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Emília Marques Brovini, Milton Marques Brovini, Renata Oliveira Pereira, Maria Helena Rodrigues Gomes

ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn