Avaliação do desenvolvimento de fungos toxigênicos em feijões do grupo carioca (Phaseolus vulgaris L.)

Gilvan Lopes Serafim Filho, Josiléa Barbosa Gomes de Souza, Lidiana Maria da Silva, Mariana de Fátima Carneiro Dias Ferreira Costa, Michele Oliveira da Silva, Vanessa Bezerra Gomes da Silva, Vitor Fernando Epitácio Pereira, Waléria Guerreiro Lima

Resumo


DOI

A qualidade e saúde dos grãos comerciais devem considerar os aspectos sanitários tanto no cultivo e procedimentos de colheita quanto nos procedimentos pós colheitas e no armazenamento e etapas do processo de industrialização, que por sua vez disponibiliza diversos tipos de grãos para os mais diversos segmentos, incluindo a alimentação humana. Toda essa logística deve seguir práticas sanitárias que evitam a contaminação dos grãos por microrganismos, sejam fungos, bactérias, entre outros. Para as três marcas escolhidas de grãos de feijões (marcas mais consumidas, segundo levantamento), foram aplicados procedimentos de esterilização externa em solução de hipoclorito a 1,5% de diluição, seguido de duas lavagens consecutivas com água destilada, secagem em papel filtro esterilizado em autoclave, por fim foram acondicionados em meio de cultura (Baird Parker Agar Base/BPA), favorável ao crescimento de fungos. Para cada marca de feijão, foram separadas 05 conjuntos de placas de Petri com o meio de cultura, em cada placa foi distribuído 10 grãos devidamente esterilizados e uniformemente distanciados e acondicionados em cabine de fluxo laminar vertical. As três marcas apresentaram contaminação por fungos, entre eles os gêneros Rhizopus, Aspergilus e Penicillium foram confirmados; sendo uma das marcas contaminada apenas por Penicillium sp., a segunda marca com contaminações por Rhizopus sp. e Aspergilus sp., e a terceira marca contaminada por Aspergillus sp. Os gêneros dos fungos confirmados possuem potencial toxigênico, o mal condicionamento e manuseio dos grãos in natura podem contribuir com casos relacionados às Doenças Transmitidas por Alimentos/DTA.


Palavras-chave


Fungos, toxinas, segurança alimentar.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Afonso Júnior, P. C. (1997). Efeitos imediato e latente das condições de secagem sobre a qualidade de sementes de feijão (Phaseolus vulgaris L.), variedade “Ouro Negro 1992”. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, Brasil.

Almeida, L. D’a., & Falivene, S. M. P. (1982). Efeito da trilhagem e do armazenamento sobre a conservação de sementes de feijoeiro. Revista Brasileira de Sementes, 4(1), 56-67.

Amin, M. N., Ossain, M. A., & Roy, K. C. (2004). Effects of moisture content on some physical properties of lentil seeds. Journal of Food Engineering. London, 5, 83-87.

Angelotti, F. (2012). Impacto da temperatura em patologia de sementes nativas da caatinga. Informativo ABRATES/Embrapa, 22(3).

Bacaltchuk, B., & Lorini, I. (2008). A qualidade desejada na armazenagem de grãos no país. Embrapa Trigo.

Bailey, J. E. Whole grain storage. In: Sauer, D. B. (1992). Storage of cereal grains and their products. Minnesota: American Association of Cereal Chemists, 615 p.

Bakker-Arkema, F. W. (1993). Grain quality and management of grain quality standards. Anais do International symposium of grain conservation, Canela, Porto Alegre, RS, Brasil, Plus Comunicações, 3-11.

Benício, V., Araújo, E., Souto, F. M., Souto, F. M., Benício, M. J., & Felismino, D. C. (2003). Identificação e características culturais de espécies do gênero Aspergillus isoladas de sementes de feijão no Estado da Paraíba. Fitopatologia Brasileira, 28(2), 180-283.

Bento, F. L., Caneppele, M. A. B., Albuquerque, M. C. F., Kobayasti, L., Caneppele, C., & Andrade, P. K. (2012). Ocorrência de fungos e aflatoxinas em grãos de milho. Revista do Instituto Adolfo Lutz, 71(1), 44-49.

Borém, F. M., Silva, R. F., Hara, T., & Machado, J. C. (2000). Ocorrência de fungos no ar e em sementes de feijão (Phaseolus vulgaris L.) armazenadas em ambientes com equipamento modificador de atmosfera. Ciência e Agrotecnologia, 24(1), 195-202.

Brackmann, A., Neuwald, D. A., Ribeiro, N. D., & Freitas, S. T. (2002). Conservação de três genótipos de feijão (Phaseolus vulgaris L.) do grupo carioca em armazenamento refrigerado e em atmosfera controlada. Ciência Rural, 32(6), 911-915.

Brooker, D. B., Baaker-Arkema, F. W., & Hall, C. W. (1992). Drying and Storage of Grain and Oilseeds. New York: USA. 450 p.

Bryan, F. L., Michanie, S. C., Alvarez, P., & Paniagua, A. (1988). Critical points of streetvended foods of Dominican Republic. Journal of Food Protection, 51, 373-383.

Cansian, R. L., Floriani, S. T. R., & Valduga, E. (2005). Microbiological analysis of critical points in the chicken industry. Brazilian Archives of Biology and Technology, 48(3), 403-406.

Carvalho, M. L. M. (1992). Refrigeração e qualidade de sementes de milho armazenadas em pilhas com diferentes embalagens. Tese de doutorado, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Piracicaba, SP, Brasil.

Carvalho, M. L. M., & von Pinho, E. V. R. (1997). Armazenamento de sementes. Curso de Pós-Graduação "Lato Sensu" (Especialização) a Distância em Produção e Tecnologia de Sementes, Universidade Federal de Lavras, Lavras, MG, Brasil.

Christensen, C. M. (1974). Storage of cereal grains and their products. (2a ed.). Minnesota: American Association of Cereal Chemists.

Debouck, D. G. (1988). Phaseolus germplasm exploration. In: GEPTS, P. (Ed.). Genetic resources of Phaseolus beans. Dordrecht: Kluwer, 3-29.

Debouck, D. G. (1991). Systematics and morphology. In: Schoonhoven, A. Van., & Voysest, O. (Ed.). Common beans: research for crop improvement. Cali: CIAT, 55-118.

Dhingra, O. D. (1985). Prejuízos causados por microrganismos durante o armazenamento de sementes. Revista Brasileira de Sementes, 7(1), 139-145.

Faroni, L. R. D. (1998). Fatores que influenciam a qualidade dos grãos armazenados. Revista Ibero-americana de Tecnologia, Postcosecha, 5, 34-41.

Gonçalves, P. M. R. (1998). Toxinfecções alimentares: uma revisão. Higiene Alimentar, 12(53), 38-44.

Machado, J. C. (2000). Tratamento de sementes no controle de doenças. Universidade Federal de Lavras, Laboratório de patologia de Sementes, Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Extensão, Lavras, MG, Brasil.

Moreira, J. A. A., Azevedo, J. A., Stone, L. F., & Caixeta, T. J. Irrigação. In: Zimmermann, M. I. O., Rocha, M., & Yamada, T. (Ed.). (1998). Cultura do feijoeiro: fatores que afetam a produtividade. Piracicaba: Associação Brasileira para Pesquisa da Potassa e do Fosfato, 317-340.

Muir, W. E. (2000). Grain Preservations Biosystems. Departamento f Biosystems Engineering, University of Manitoba, Winnipeg, Manitoba, Canada.

Navarro, S., & Noyes, R. T. (Eds.). (2001). The mechanics and physics of modern grain aeration management. Boca Raton, CRC Press.

Neergaard, P. (1979). Seed pathology. London: MacMillan Press.

Novembre, A. D. L. C. (1987). Tratamento fungicida e conservação de sementes de feijoeiro (Phaseolus vulgaris L.). Dissertação de mestrado, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba, Brasil.

Popinigis, F. (1977). Fisiologia da Semente. Brasília: AGIPLAN.

Queiroz, V. A. V., Santos, J. P., Tibola, C. S., & Queiroz, L. R. (2009). Boas práticas e sistema APPCC na fase de pós-colheita de milho. Embrapa Trigo-Circular Técnica (INFOTECA-E).

Rava, C. A., Vieira, E. H. N., & Moreira, G. A. (2005). Qualidade fisiológica de sementes de feijoeiro comum produzidas em várzeas tropicais com subirrigação. Embrapa Arroz e Feijão-Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento (INFOTECA-E).

Resende, O., Corrêa, P. C., Goneli, A. L. D., & Ribeiro, D. M. (2008). Propriedades físicas do feijão durante a secagem: determinação e modelagem. Ciência e Agrotecnologia, 32(1), 225-230.

Roskens, B. (1995). Annual meeting - industry comments. Grain Quality Newsletter, 16(2), 3-4.

Sabbadini, A. M. B., Ribeiro, J., Gigliolli, A. A. S., & Chassot, F. (2009). Ocorrência de fungos toxicológicos em grãos coletados no município de Campo Mourão e a relação destes com o desenvolvimento de doenças. Anais do encontro Internacional de Produção Científica da CESUMAR, Maringá, PR, Brasil.

Santos, M. S., Pires, L. M., Rodrigues, F., Peixoto, N., & Carvalho, D. D. C. (2015). Ocorrência e Isolamento de Fungos em Sementes de Feijão Comum. Anais do II Congresso e Extensão da Universidade Estadual de Goiás, Anápolis, GO, Brasil.

Silva, C. C. Plantio. In: Aidar, H. (2003). Cultivo do feijoeiro. Embrapa Arroz e Feijão, Sistemas de Produção (1a ed.). Santo Antônio de Goiás, GO. Brasil.

Souza, F. F., Fontenelle, I. M. R., Machado, J. C., Resende, O., Borém, F. M. (2006). Controle de fungos presentes no ar e em sementes de feijão durante armazenamento. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 10(3), 651–659.

Tipples, K. H. Quality and nutritional changes in stored grain. In: Jayas, D. S., White, N. D. G., Muir, W. E. (1995). Stored Grain Ecosystems, St. Paul, 325-351.

Toro, O., Tohme, J., & Debouck, D. G. (1990). Wild bean (Phaseolus vulgaris L.): Description and distribution. Centro Internacional de Agricultura Tropical, International Board for Plant Genetic Resources, Cali, CO, 181.

Torres, S. R., Peixoto, A. R., & Carvalho, I. M. S. (1998). Qualidade sanitária e fisiológica de sementes de feijão-massacar (Vigna unguiculata (L.) Walp.). Revista Brasileira de Sementes, 20(2), 245-248.

Vieira-Junior, P. A., Dourado-Neto, D., Smiderle, O. J., & Cicero, S. M. (1998). Efeitos de métodos de irrigação sobre a produção e a qualidade de sementes de feijão. Revista Brasileira de Sementes, 20(1), 100-105.

Zambiasi, C. A. (2015). Qualidade de grãos de feijão armazenados em diferentes condições de temperatura. Tese de doutorado, Universidade Federal de Viçosa, MG, Brasil.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Gilvan Lopes Serafim Filho

Revista Brasileira de Meio Ambiente | ISSN: 2595-4431

CC-BY 4.0 Revista sob Licença Creative Commons
Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn